O Governo do Reino Unido anunciou este domingo que vai disponibilizar um pacote de ajuda, no valor de 10 milhões de libras (11,1 milhões de euros), destinado aos cidadãos sírios da cidade de Raqa. A ministra britânica para o desenvolvimento internacional, Priti Patel, explicou que esse valor será usado para pôr fim à “sentença de morte” que os civis da recém-libertada cidade ainda enfrentam devido ao grupo extremista Estado Islâmico.

A cidade, descrita como o bastião do autoproclamado califado do Estado Islâmico, foi libertada formalmente na passada quarta-feira, quando as Forças da Síria Democrática (FSD) declararam vitória sobre o grupo extremista. Patel insistiu que a comunidade internacional deve seguir o exemplo do Reino Unido e ajudar as centenas de milhares de pessoas desse país que foram forçadas a fugir sem nada e que foram alvo de violência e bombardeamentos.

Segundo Governo britânico, o montante vai contribuir para a eliminação de minas antipessoais e reabastecimento de hospitais de modo a que os sírios possam, eventualmente, regressar ao seu país. “A mão de ferro que o Estado Islâmico tinha sobre a cidade de Raqa roubou a vida a demasiados inocentes e agora que o regime do diabo se foi embora, é absolutamente crucial que a comunidade internacional os ajude ativamente a reconstruir as suas vidas”, explicou.

Patel acrescentou que “depois de anos de violência bárbara e indiscriminada do Estado Islâmico, a libertação de Raqa oferece um vislumbre de esperança, mas os homens, mulheres e crianças indefesos continuam a enfrentar uma brutal sentença de morte devido às letais minas antipessoais e as feridas infligidas nos conflitos”.

Assim, o Executivo de Londres “fornece um salva-vidas para os incontáveis sírios que perderam absolutamente tudo, disponibilizando tratamento médico, água e mantas aos que conseguiram escapar e para destruir explosivos, de forma a que as pessoas possam regressar de forma segura”. A ajuda será entregue mediante parceiros britânicos na Síria, incluindo agências da ONU e da Organização Mundial de Saúde.