Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A noite estava estrelada e nenhuma nuvem anunciava a chegada do período das chuvas no Parque Nacional Emas, Brasil. Márcio Cabral estava por ali a fotografar as luzes verdes emitidas pelas térmitas reunidas em montículos de terra à entrada dos ninhos. Já havia chovido muito e de nada tinha valido ao fotógrafo acampar por ali durante três temporadas. Naquele dia, as condições de luz foram finalmente as ideais e Márcio conseguiu a fotografia que tanto queria. Mais conseguiu muito mais do que isso.

Graças à imagem que mostra um papa-formigas a alimentar-se das térmitas, o brasileiro Márcio Cabral conseguiu conquistar o prémio “Wildlife Photographer of the Year” na categoria “Animais no seu Ambiente”. É que os papa-formigas veem muito mal, mas têm um olfato muito apurado que os encaminha pelo escuro até ao alimento. E usando material profissional, incluindo uma Canon com uma grande lente angular, o fotógrafo recebeu um bónus na fotografia que ansiava há tanto.

Pode ver a fotografia na fotogaleria, conforme enviada ao Observador pelo Museu da História Natural, que patrocina o evento. Esta e as outras fotografias vencedoras vão estar em exibição no museu desde esta sexta-feira até 28 de maio, uma segunda-feira. Se não pode ir até Londres para as ver ao vivo, espreite a fotogaleria. E se tiver alguma imagem genial do meio ambiente, candidate-se para o “Wildlife Photographer of the Year” 2018 a partir de 23 de outubro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR