Professores

Professores marcam greve nacional e concentração na AR para 15 de novembro

309

A Fenprof anunciou uma greve para 15 de novembro e apelou aos docentes para se concentrarem no parlamento nesse dia. Em causa está a não contagem de 9 anos e meio de serviço para efeitos de progressão

Logo quando a proposta de Orçamento do Estado foi entregue Mário Nogueira disse ao Observador que a greve era uma hipótese

JOSÉ COELHO/LUSA

Autores
  • Agência Lusa
  • Marlene Carriço

Os professores vão estar em greve no próximo dia 15 de novembro e para esse mesmo dia está já marcada uma concentração junto à Assembleia da República, coincidindo com a discussão, na especialidade, do Orçamento do Estado para o setor da Educação. O anúncio foi feito esta sexta-feira pela Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e merece a convergência da Frente Sindical dos Docentes (ASPL, PRÓ-ORDEM, SEPLEU, SINAPE, SINDEP, SIPPEB, SIPE e SPLIU).

É importante os professores estarem unidos para fazerem uma tremenda greve e uma grande concentração junto à Assembleia da República no dia em que vai estar em discussão o Orçamento da Educação”, afirmou o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, durante uma conferência de imprensa, em Lisboa, apelando ainda à participação dos professores na manifestação nacional que a CGTP vai realizar no dia 18, em Lisboa.

O principal motivo de protesto dos professores está relacionado com o descongelamento das carreiras e a contagem do todo o tempo de serviço. É que a 1 de janeiro de 2018 todos os funcionários públicos vão ter as carreiras descongeladas e vão ver as progressões, com respetivas alterações salariais, ser concretizadas ao longo dos próximos dois anos. Mas no caso dos professores, e de acordo com a proposta de Orçamento do Estado para 2018, os últimos sete anos (desde 2011) não serão contabilizados. Na prática é como se os professores não tivessem dado aulas entre 2011 e 2017, o que faz com que muitos não reúnam as condições para subir na carreira nos próximos anos.

A estes sete anos juntam-se ainda dois anos e meio — de agosto de 2005 a dezembro de 2007 –, período em que as progressões também estiveram congeladas e que não foram contabilizados no caso dos professores. E o que acontece é que só progredirão em 2018 os professores que em 2011 já estariam em condições de progredir, por terem acumulado quatro anos de serviço num escalão.

“Ao apagarem o tempo, como não se converte em pontos, é como deitar tempo de serviço ao lixo”, disse ao Observador, Mário Nogueira, logo aquando da entrega da proposta de Orçamento do Estado, já ameaçando com a marcação de uma greve e outras formas de protesto.

A verdade é que já era isso que estava previsto nos anteriores Orçamentos do Estado onde se podia ler, precisamente, que “o tempo de serviço prestado (..) não é contado para efeitos de promoção e progressão, em todas as carreiras, cargos e ou categorias, incluindo as integradas em corpos especiais, bem como para efeitos de mudanças de posição remuneratória ou categoria nos casos em que estas apenas dependam do decurso de determinado período de prestação de serviço legalmente estabelecido para o efeito”.

Além desta matéria, continuam também em cima da mesa reivindicações relativas aos horários de trabalho e um regime especial de aposentação.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

Professores, precisam-se

Marco Almeida
2.454

Sem capacidade para atrair novos docentes, o Estado revela a sua incapacidade para enfrentar o desígnio mais importante para o desenvolvimento sustentado e sustentável, o desígnio da Educação e Ensino

Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)