Rádio Observador

Arte

Retrato de amante de Francis Bacon vendido em leilão por 38,6 milhões de dólares

A obra "Three studies for a portrait of George Dyer", primeiro retrato que Francis Bacon dedicou ao seu amante, foi arrematada por 38,6 milhões de dólares, anunciou a Sotheby's.

ANDY RAIN/EPA

A obra “Three studies for a portrait of George Dyer”, primeiro retrato que Francis Bacon dedicou ao seu amante e principal fonte de inspiração, foi arrematada por 38,6 milhões de dólares (32,6 milhões de euros), anunciou a Sotheby’s.

Pintado em 1963, o tríptico marca o início da tempestuosa relação que Francis Bacon (1909-1992) manteve com George Dyer, que figura como protagonista de alguns dos quadros mais emotivos e criativos do pintor britânico de origem irlandesa.

George Dyer – que se suicidou em 1971 na mesma noite em que o Grand Palais de Paris homenageava Francis Bacon com uma grande retrospetiva – marcou a obra de Francis Bacon tanto antes como depois da sua morte.

Em 2013, outro tríptico de Francis Bacon “Three Studies of Lucian Freud” foi arrematado por 142 milhões de dólares (120,2 milhões de euros), convertendo-se na obra mais cara de todos os leilões, um recorde que foi batido na quarta-feira por um quadro de Da Vinci vendido por 450 milhões de dólares (381,1 milhões de euros).

Esta foi a obra mais reivindicada do leilão de arte contemporânea, que também incluiu obras de Warhol, Lichtenstein, Burgeois e Basquiat, apesar de um Ferrari que Michael Schumacher conduziu no Grande Prémio do Mónaco de 2001 também se ter acabado por converter num dos itens mais disputados.

Os cerca de 70 lotes foram vendidos em leilão por um total de 310 milhões de dólares (262,5 milhões de euros).

A segunda obra que mais rendeu esta noite foi um retrato de Mao Zedong que Andy Warhol pintou em 1972, a qual foi vendida por 32,4 milhões de dólares (27,4 milhões de euros).

Warhol, um dos mais importantes artistas norte-americanos da segunda metade do século XX e ele próprio o símbolo da “Pop Art”, concebeu dezenas de quadros do líder comunista chinês Mao, mas a obra leiloada na quinta-feira pertence ao primeiro conjunto de apenas 11. Dez encontram-se em importantes galerias públicas e privadas, desconhecendo-se o paradeiro dos restantes.

A terceira obra mais cara foi “Female Head”, de Roy Lichtenstein, arrematada por 24,5 milhões de dólares (20,7 milhões de euros). O quadro, concluído em 1977, foi vendido por um valor acima do previsto, depois de uma renhida disputa.

Outro artigo vendido por um preço acima do esperado foi também o Ferrari com que Michael Schumacher, heptacampeão mundial de Fórmula 1, venceu o Grande Prémio do Mónaco em 2001, o qual teve um número inesperado de licitações até ser arrematado por 7,5 milhões de dólares (6,3 milhões de euros), estabelecendo um recorde para um carro de Fórmula 1 moderno.

Yoko Ono vendeu por 11 milhões de dólares (9,3 milhões de euros) um dos tesouros da sua coleção privada, “Cabra”, do norte-americano Jean-Michel Basquiat, uma representação da vitória de Muhammad Ali, símbolo da luta antirracista, contra o “imbatível” Oscar Bonavena, apelidado de “El Toro”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)