Rio 2016

Justiça americana investiga compra de votos e corrupção nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016

As autoridades norte-americanas estarão a investigar corrupção na atribuição de contratos e compra de votos para os Jogos Olímpicos de 2016, no Brasil. FBI está a liderar a investigação.

AFP/Getty Images

Autor
  • Nuno André Martins

A justiça norte-americana está a investigar a escolha do Rio de Janeiro para receber os Jogos Olímpicos em 2016, devido a suspeitas de compra de votos e de corrupção, avança o jornal económico norte-americano Wall Street Journal. De acordo com o jornal, o FBI estará a liderar a investigação e a justiça já reuniu um grande júri para avaliar se houve compra de votos e corrupção na atribuição de contratos de elevado montante relativamente aos direitos televisivos e de marketing.

A investigação acontece em paralelo com investigações que estarão a ser realizadas pelas autoridades brasileiras e francesas à suspeita de atividade criminosa nos jogos do Rio de Janeiro e outras competições de atletismo internacionais.

O jornal diz que teve acesso a intimações que dão conta que o grande júri que foi reunido em Brooklyn, Nova Iorque, terá convocado testemunhas e pedido documentos relacionados com a investigação. A equipa que do FBI e do Departamento de Justiça envolvidos na investigação são os mesmos que estão a investigar um esquema do Estado russo para facilitar e promover o doping entre os atletas olímpicos russos.

As autoridades norte-americanas terão sido convidadas há cerca de um ano a participarem na investigação da justiça brasileira e francesa aos Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro. Essa investigação já levou à detenção do antigo presidente do Comité Olímpico brasileiro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)