Rádio Observador

CTT

CTT vão cortar 800 postos de trabalho e fechar lojas com pouca procura

1.672

Os Correios de Portugal dizem que o negócio está em transformação e que a rentabilidade da empresa está a descer. Por isso, a administração avança com um plano drástico de redução de custos.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Nuno André Martins
Mais sobre

Os CTT apresentaram esta terça-feira um plano de redução de custos que implica o corte de pelo menos 800 postos de trabalho a tempo inteiro, o fecho de lojas com pouca procura, a redução substancial da remuneração variável dos trabalhadores dos correios já referente a este ano. A administração também vai ver os seus salários cortados – o do presidente em 25% e da restante administração em 15% – e não terão direito a remuneração variável. Empresa ainda quer pagar dividendos este ano.

No Plano de Transformação Operacional que os Correios enviaram esta terça-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa justifica as decisões com a transformação do negócio postal, em relação ao qual a empresa tem vindo a adaptar-se com uma diversificação do seu negócio “mas com atraso face ao setor”.

“A contínua substituição eletrónica está a impactar os rendimentos operacionais uma vez que os CTT estão ainda muito dependentes do Correio”, explica o plano tornado público esta terça-feira pela empresa.

Para melhorar a rentabilidade, a empresa liderada por Francisco Lacerda decidiu avançar com um reforço das poupanças que já tinha vindo a implementar, mas agora com uma redução ainda mais pronunciada do número de trabalhadores dos Correios e limitações na administração.

Depois dos 200 trabalhadores – a tempo inteiro – que estão negociações para saírem já este ano (dos quais 140 já acertaram as condições com a empresa), os CTT preveem que saiam ainda mais 800 trabalhadores nos próximos três anos.

Os trabalhadores verão ainda a remuneração variável que teriam direito referente ao ano que está agora a acabar ser alvo de uma “forte redução” e os aumentos salariais que não sejam obrigatórios no próximo ano sujeitos a limitação.

A administração também será alvo de cortes. A remuneração fixa do presidente da empresa será cortada em 25%, a dos restantes membros da administração (sejam executivos ou não não executivos) em 15% e os membros da comissão executiva não terão direito a remuneração variável no próximo ano, como já não terão este ano.

A empresa diz ainda que pretende fechar lojas que tenham pouca procura e converter algumas lojas em postos de correio, como forma de poupar custos, poupando com isso cerca de 15 milhões de euros, mas garantindo “a manutenção dos postos de acesso, assegurando a proximidade com os cidadãos, qualidade dos serviços e as obrigações regulatórias”.

Segundo o Plano, a empresa pretende ainda redesenhar a arquitetura e a cobertura da sua rede de distribuição, ajustar a dimensão e tipologia da frota.

Mas, mesmo com estes cortes, a administração mantém que quer pagar um dividendo de 0,38 euros por ação relativamente ao exercício deste ano, que, a concretizar-se, será pago no próximo ano.

Debate sobre nacionalização “nem por sombras está encerrado”

O PCP vê no plano operacional dos CTT conhecido esta terça-feira “uma nova vaga da mesma ofensiva” que a administração da empresa já revelou no passado recente, quando tentou avançar com a rescisão de contratos com centenas de trabalhadores. Ao Observador, o deputado Bruno Dias garante que, para o PCP – que na semana passada viu chumbada, com os votos do PS, uma proposta de nacionalização dos CTT –, “esta discussão nem por sombras está encerrada”. E pede uma “resposta política dos restantes órgãos de soberania”.

Bruno Dias recorda que, há um ano, foi a própria ANACOM quem denunciou “o incumprimento e as violações do serviço público dos CTT”. O plano operacional agora divulgado é “mais uma prova” do projeto que a administração tem para a empresa.

Tudo isto, a degradação da qualidade do serviço, a destruição de postos de trabalho, a continuação da política de encerramento de serviços e o ataque brutal aos direitos dos trabalhadores” revela uma posição relativamente ao serviço público “como algo que, claramente, não é prioritário, mais parece obstáculo”, diz Bruno Dias.

Chumbado o projeto de resolução do PCP que defendia a renacionalização (também o BE e o PEV apresentaram diplomas nesse sentido), o deputado garante que o assunto “não está encerrado”. Mas “a luta” passa agora para outras mãos. “Neste momento, o mais mais importante e premente, e isto não é apenas uma consideração simbólica, é as pessoas deste país que estão preocupadas com a importância do serviço público postal, assumirem uma postura de grande solidariedade e valorização pela luta dos trabalhadores da empresa que estão a defender os seus direitos mas, desde logo, o interesse nacional e público”.

Como? Assinando o abaixo-assinado que defende a nacionalização. Ao mesmo tempo, o PCP pede, ainda que sem concretizar destinatários, uma “resposta política do Governo e dos restantes órgãos de soberania relativamente a este processo”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)