PSD

Vice-presidente do PSD/Açores Ricardo Pacheco demite-se

O vice-presidente do PSD/Açores Ricardo Pacheco apresentou a demissão do cargo, justificando que a carreira como advogado não lhe permite exercer as funções.

ANTONIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

PO vice-presidente do PSD/Açores Ricardo Pacheco apresentou neste domingo a sua demissão do cargo, justificando que a carreira como advogado não lhe permite exercer as funções de dirigente partidário “com total dedicação”. Em nota endereçada à agência Lusa, Ricardo Pacheco diz acreditar que os motivos apresentados “serão compreendidos” pelos “companheiros de partido”, sendo esta, reconhece, uma “decisão muito difícil” que lhe causou uma “profunda mágoa”.

“Como é do conhecimento público, estou neste momento a trabalhar, enquanto advogado, em casos muito relevantes e profissionalmente exigentes. A defesa dos meus clientes exige total empenhamento, como é minha obrigação. Tentei, até ao limite das minhas capacidades, conciliar os meus compromissos profissionais com as minhas funções de vice-presidente do PSD/Açores. Infelizmente, tal não foi possível”, realça o social-democrata.

Ricardo Pacheco é um dos advogados envolvidos na Operação Asclépio, referente a suspeitas de corrupção envolvendo organismos do Sistema Regional de Saúde dos Açores. Na nota enviada à Lusa, o agora demissionário vice-presidente do PSD Açores deixa elogios ao “companheiro e amigo” Duarte Freitas, líder do PSD/Açores.

E remata: “Confio no trabalho que Duarte Freitas tem desenvolvido enquanto líder do nosso partido. Acredito plenamente no seu projeto para o PSD/Açores e na sua visão para o futuro da região”. Com a saída de Ricardo Pacheco, o PSD/Açores passa de seis para cinco vice-presidentes, mantendo-se em funções Alexandre Gaudêncio, Francisco Câmara, Sandra Bessa, Francisco Guedes e Susete Amaro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Operação Marquês

Porque é que só há uma Ana Gomes?

Rui Ramos
171

A sociedade portuguesa gera rotação no poder quando o dinheiro acaba, como vimos em 2002 ou em 2011. Mas já não gera alternativas, como constatámos em 2015 com o regresso dos colegas de Sócrates.

Rui Rio

Políticos à beira mar plantados

António Valle

Costa quer surgir, aos olhos dos portugueses, como o grande agregador moderado da política nacional. Rio quer parecer, aos olhos de Costa, o seu novo pequeno parceiro que apenas quer uns lugarzinhos.

PSD

O vice-primeiro-ministro Rui Rio

Luís Rosa
378

Rui Rio é mesmo o vice-primeiro-ministro ideal. É útil, diligente, prático e discreto. Em suma, Rio tem um valor político objetivamente superior a qualquer ministro e faz brilhar António Costa.

Assembleia Da República

Teoria geral do inconseguimento

Laurinda Alves
105

Todos sabemos que uma coisa é a lei e outra a ética. A cegueira moral pode ser legislada, mas a ética tudo vê e tudo sabe. A lei permite, mas a consciência não. Essa é a voz que nunca se cala.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site