Num reino muçulmano de rígidos costumes, onde os direitos das mulheres não estão no mesmo patamar que os dos homens, foi notícia em todo o mundo o anúncio feito pela monarquia que governa a Arábia Saudita, autorizando, pela primeira vez na história deste país, as mulheres a conduzir. E embora a decisão não tenha ainda aplicação prática, o primeiro concessionário automóvel na Arábia Saudita, exclusivo para mulheres, acaba de abrir portas.

O momento (histórico) foi, segundo avança a agência Reuters, assinalado com pompa e circunstância, com várias mulheres a posarem frente aos automóveis, rodeadas de balões de várias cores.

Quanto aos automóveis, a mesma fonte revela que não se tratam de propostas de uma única marca, sendo antes uma área multimarca, no centro comercial Le Mall, com enfoque em veículos mais eficientes, em termos de consumo de combustível, e com o apoio às clientes a ser prestado por uma equipa de vendedoras.

“É do conhecimento geral que as mulheres são quem mais compras fazem nos centros comerciais”, refere a chefe da equipa de vendedoras, Sharifa Mohammad, justificando a escolha do espaço com o facto de “todo o centro comercial” ser dominado pelo sexo feminino. “É gerido por mulheres, as funcionárias das caixas são mulheres, tal como todas as funcionárias nos restaurantes.”

Sempre tive interesse por automóveis, mas nós, mulheres, não podíamos conduzir. Pelo que, terminada a proibição, estou interessada em comprar um carro, desde que os preços não sejam muito elevados”, revelou à Reuters Ghada al-Alis , uma das muitas clientes que marcaram presença no espaço.

Recorde-se que, em Setembro último, o príncipe regente da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, decidiu autorizar as mulheres a conduzir, já a partir de Junho deste ano. Medida que foi, de imediato, vista como uma importante mudança nas rígidas tradições do país, ainda que esteja por se perceber o verdadeiro alcance desta decisão. A Arábia Saudita era, até aqui, o único país no mundo onde as mulheres estavam proibidas de conduzir.