Rádio Observador

Mário Centeno

Mário Centeno já é presidente do Eurogrupo

424

Numa cerimónia realizada na manhã desta sexta-feira na embaixada de Portugal em Paris, Centeno recebeu das mãos do holandês Jeroen Dijsselbloem o sino usado pelo presidente do Eurogrupo nas reuniões.

AFP/Getty Images

O ministro das Finanças, Mário Centeno, assumiu esta sexta-feira a presidência do Eurogrupo, numa cerimónia na embaixada de Portugal em Paris, onde recebeu do seu antecessor, o holandês Jeroen Dijsselbloem, o sino usado para marcar oficialmente o início das reuniões do grupo informal que Mário Centeno passará agora a liderar. Regras orçamentais europeias e orçamento para a zona euro no topo da agenda de Mário Centeno.

Mário Centeno agradeceu o “trabalho duro” do antecessor, sublinhando que “muito foi feito”, a começar pela saída da crise, mas que ainda há muito a fazer no reforço da união económica e monetária, para tornar “a moeda comum mais resistente a crises futuras”. O ministro português disse que irá “procurar os consensos necessários” para enfrentar “os desafios que aí vêm”, de que forma a que o Eurogrupo vá “ao encontro das expectativas dos cidadãos”.

Numa posição mais diplomática face à agenda europeia do que a que tem tido como ministro das Finanças de Portugal, Mário Centeno diz que “não se trata neste momento de fazer análises sobre o passado”, quando confrontado com as políticas que tem vindo a criticar, apoiadas por países mais conservadores.

“A Europa enfrentou uma crise muito séria e atuou bastante ao nível dos seus Estados, os Estados membros da área do euro promoveram reformas muito ambiciosas nas diferentes áreas. O Governo português nos últimos dois anos tem promovido essas reformas na área financeira, na área das qualificações, são reformas que têm de se manter. O que temos de conseguir e de garantir é que o resultado dessas reformas conjuntas beneficie de uma estabilidade financeira e de uma integração financeira na área do euro que hoje ainda é incompleta e incipiente. Estes desafios colocam-se em diferentes níveis”, afirmou.

O ministro disse então que a discussão sobre as regras orçamentais europeias – que tem criticado de forma muito dura, assim como a forma como têm sido aplicadas e a Comissão Europeia, que as aplica – tem de continuar, no sentido de garantir “a sua transparência, a sua previsibilidade e a capacidade de serem entendidas pelos cidadãos”.

Mário Centeno prometeu ainda colocar o debate em cima da mesa do Eurogrupo sobre um eventual orçamento para a zona euro, uma proposta da Comissão Europeia e que tem uma grande oposição de países mais conservadores (como é o caso da Alemanha), mas sempre tendo em vista alcançar consensos, a principal mensagem da sua candidatura à presidência do Eurogrupo.

“É um debate longo mas que, estando em cima da mesa, eu me comprometo a tê-lo com todos. Sempre com um objetivo, criar consensos e que esses consensos sejam equilibrados face à vontade das partes”, disse.

Oficialmente, Mário Centeno só assume a presidência do Eurogrupo a partir de sábado, mas a cerimónia realizou-se esta sexta-feira porque era a data possível nas agendas do presidente em exercício e do presidente eleito. Mário Centeno esteve em França para se encontrar com o presidente francês, Emmanuel Macron, onde já desempenhou o papel de presidente do Eurogrupo, recebendo garantias que a segunda maior economia da zona euro vai fazer esforços para garantir que consegue cumprir a meta do défice e assim sair do Procedimento dos Défices Excessivos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)