O secretário-geral da NATO afirmou que a organização apoia a ideia de um mundo sem armas nucleares, mas não acredita que tal se consiga por imposição de uma proibição através da convenção das Nações Unidas sobre armas nucleares.

Jens Stoltenberg disse, durante um discurso numa conferência de segurança na Suécia, citado pela agência Associated Press, que livrar o mundo de armas nucleares requer um período de “desarmamento doloroso” que o Tratado de Proibição de Armas Nucleares não consegue garantir.

O responsável enfatizou que a estratégia de dissuasão militar da NATO depende de uma combinação de armas convencionais e armas nucleares. Se os membros da NATO destruíssem os seus arsenais nucleares, mas países como a China e a Rússia os mantivessem, o mundo não seria mais seguro, disse.

A mensagem de Stoltenberg é claramente dirigida ao governo sueco, que está dividido sobre se deve assinar o tratado da ONU e a decisão não deverá ser tomada antes das eleições legislativas de setembro.