Música

Hot Clube Portugal vai estar o ano inteiro a celebrar 70 anos

104

O Hot Clube de Portugal, o mais antigo clube de jazz europeu em atividade, vai celebrar 70 anos ao longo de 2018 com uma programação extensa e em diversos espaços de Lisboa.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Um festival de jazz com crianças e jovens, edições de livros e discos, exposições e muitos concertos é o que promete o Hot Clube de Portugal (HCP) para celebrar 70 anos de atividade, ao longo dos próximos meses.

Em entrevista à agência Lusa, a presidente do conselho diretivo do HCP, Inês Homem Cunha, explicou que o objetivo é comemorar a data com uma programação extensa até ao final do ano e em vários espaços de Lisboa, para chamar novos públicos.

O mais antigo clube de jazz europeu em atividade foi fundado oficialmente a 19 de março de 1948, quando Luiz Villas-Boas, melómano e fundador do clube, preencheu a ficha de sócio número um.

É uma reprodução dessa ficha, afixada na parede junto à bilheteira, que dá as boas vindas a quem entra no pequeno espaço da Praça da Alegria, em Lisboa.

Setenta anos depois, Inês Homem Cunha — a primeira mulher da história do HCP a chegar à direção – quer aproveitar a efeméride para se abrir a mais públicos.

O objetivo é contrariar a ideia de que o clube se fecha sobre si próprio, virado para os que lá tocam e que gostam de jazz, e mostrar a atividade do HCP fora de portas, disse.

A semana mais intensa de programação acontecerá de 19 a 25 de março, com a presença em Lisboa do saxofonista Joe Lovano para um concerto em trio no HCP, uma ‘masterclass’ na Escola de Jazz do Hot e um concerto com a orquestra do clube no Teatro Municipal São Luiz.

Outro dos destaques da programação será a realização do Kids Can, um projeto europeu itinerante para crianças e jovens, apoiado pelo programa Europa Criativa, do qual o HCP faz parte juntamente com as organizações JazzDanmark (Dinamarca) e JazzKaar (Estónia).

“É uma grande vitória na vertente da escola para crianças e adolescentes. Espero que tenha uma adesão muito grande de pessoas que queiram saber como é que ensinamos jazz a crianças”, sublinhou Inês Homem Cunha.

Entre as várias atividades programadas, algumas ainda por confirmar, sobressai já em fevereiro a celebração da primeira ‘jam session’ de jazz em Portugal, a 06 de fevereiro de 1948, semanas antes da fundação do HCP.

Foi no café Chave de Ouro, em Lisboa, e nela participaram nomes como Art Carneiro, Pops Whitman, Jorge Costa Pinto, Pedro Martins Lima e José Luís Tinoco.

Alguns dos músicos vão estar presentes na comemoração da ‘jam session’, a 06 de fevereiro, conduzida por Bernardo Moreira, outro nome histórico do jazz e do HCP.

Pela etiqueta discográfica do clube, criada em 2014, serão editados pelo menos seis discos que recuperam os concertos do ciclo “Histórias do Jazz em Portugal”, organizado em 2014 e 2015, em Lisboa e em Guimarães, por António Curvelo e Manuel Jorge Veloso.

As conversas com dezenas de músicos, realizadas nesse ciclo, serão também compiladas num livro a editar no final do ano.

Haverá ainda um ciclo de piano a solo em fevereiro e março, com nomes como Paula Sousa, Mário Laginha e Filipe Raposo, e uma celebração especial do Dia Internacional do Jazz, a 30 de abril.

A par do clube e da escola de jazz, parte do trabalho do HCP passa também pelo núcleo museológico, assente sobretudo no espólio deixado por Luiz Villas-Boas, que morreu em 1999.

Segundo Inês Homem Cunha, houve financiamento público para fazer catalogação, inventariação e digitalização de documentação, em vários suportes, mas o trabalho está atualmente parado, e talvez seja retomado depois das comemorações.

“O ideal, e é o meu sonho e de muitas gerações de presidentes do Hot, era termos um local onde esse núcleo estivesse guardado, protegido e onde fosse possível consultá-lo. É o que chamamos a Casa do Jazz, é um sonho que estamos a trabalhar aos poucos e com muita paciência. Havemos de chegar lá”, disse.

Em setenta anos de história, o Hot Clube de Portugal terá vivido o momento mais difícil em 2009, quando a cave onde funcionava há décadas, num edifício na Praça de Alegria, ficou destruído num incêndio, sobrando hoje apenas a fachada do prédio.

Dois anos depois, em 2011, o Hot Clube de Portugal retomou a atividade duas portas ao lado da cave antiga, num espaço mais moderno, mas, ainda assim, pequeno. E com a ficha de sócio de Luiz Villas-Boas a relembrar quando tudo começou, em 1948.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Carta aos deputados do PSD sobre a eutanásia

Sofia Galvão

Os partidos não pediram um mandato aos eleitores em 2015 para alterar o statu quo no que diz respeito à eutanásia. Também por essa razão, os deputados do PSD têm a obrigação de votar contra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)