Rio Tejo

Ministério Público trava divulgação de mais análises sobre investigação à poluição no Tejo

1.014

Os elementos recolhidos na investigação à poluição no Rio Tejo devem ficar em segredo de justiça, por indicação do Ministério Público. Segredo deve abranger análises junto à Celtejo.

EPA

O Ministério Público notificou a Inspeção-Geral do Ambiente comunicando que os elementos recolhidos no caso da investigação à poluição no rio Tejo não podem ser divulgados, porque estão em segredo de justiça.

Em comunicado, o IGAMAOT (Inspeção-Geral do Ambiente, Mar, Agricultura e Ordenamento do Território) não especifica quais os elementos que estão abrangidos pelo segredo de justiça, mas a ordem do Ministério Público impedirá a divulgação dos resultados das análises às amostras de água recolhidas junto das tubagens da Celtejo.

A empresa de pasta e papel tem sido apontada como a principal responsável por descargas do tratamento da celulose que, ao longo do tempo, contribuíram para um excesso de concentração de carga orgânica do rio. Mas a sua intervenção direta no caso da espuma que apareceu no Tejo está a ser investigada pelas autoridades do Ministério do Ambiente e pelo Ministério Público.

A notificação, que chegou por via do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Castelo Branco, envolve “todos os elementos já coligidos, bem como os demais elementos juntos e a obter, relativos à investigação no âmbito do processo de inquérito — crime de poluição no Rio Tejo”. O IGAMAOT acrescenta que todas as pessoas, órgãos ou serviços em contacto com o processo “estão impedidos de divulgar quaisquer informações, designadamente elementos de prova, resultados de análise ou de outras quaisquer diligências”.

Os resultados às análise da água recolhida junto da unidade de pasta a papel de Vila Velha de Ródão ainda não foram divulgados, porque os inspetores encontraram dificuldades invulgares na recolha dessa prova, conforme explicou esta semana o Inspetor-Geral do Ambiente. Segundo Nuno Banza, os resultados relativos à Celtejo só seriam conhecidos na próxima semana, mas agora tudo indica que não serão publicamente divulgados por causa da investigação criminal. Estas análise têm como objetivo avaliar se a Celtejo estava a cumprir os limites de efluentes definidos na licença de descarga no rio, mas assinalou Nuno Banza, não permitiram confirmar se houve descargas no passado que teriam causado os recentes problemas de poluição no rio.

O Ministério Público recebeu uma denúncia na sequência dos problemas de poluição no rio Tejo que envolverá incidentes na produção da empresa Celtejo em janeiro, mas questionado sobre o tema o Inspetor Geral do Ambiente recusou dar mais informação invocando o segredo de justiça.

A Celtejo foi entretanto notificada a manter a redução da produção para conter as descargas no rio por mais 30 dias, período que pode chegar a 60 dias, enquanto é emitida uma nova licença com limites mais restritivos e em linha com o caudal do rio Tejo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)