Ciclismo

Tony Martin aposta no contrarrelógio, mas não descarta o ‘tri’ na Volta ao Algarve

Campeão da 'Algarvia' em 2011 e 2013, Tony Martin vai fazer em Portugal a sua primeira prova por etapas da temporada e aposta na vitória no contrarrelógio.

MARIT HOMMEDAL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O ciclista alemão Tony Martin (Katusha-Alpecin) aponta o contrarrelógio da terceira etapa da Volta ao Algarve como grande objetivo, mas não descura um inédito terceiro triunfo na prova. Campeão da ‘Algarvia’ em 2011 e 2013, Tony Martin vai fazer em Portugal a sua primeira prova por etapas da temporada e aposta na vitória no contrarrelógio, um exercício em que foi quatro vezes campeão do mundo e no qual é o atual campeão alemão.

“Em primeiro lugar, quero ter um bom início de temporada. O meu principal objetivo é o contrarrelógio, mas vamos ver como vai ser a minha prestação nas montanhas. Gostaria muito de lutar pela classificação geral, mas vamos ver. Mas, acima de tudo, estou muito feliz por estar aqui de novo. Estou entusiasmado para a corrida. Adoro estar aqui, mas vamos ver como vai ser o resultado no domingo. Estou feliz com as condições neste momento, por isso, acho que tenho algumas hipóteses”, disse à agência Lusa.

O alemão, de 32 anos, pode, tal como o britânico Geraint Thomas (Sky), fazer história na 44.ª edição da ‘Algarvia’ e tornar-se o primeiro a vencer três vezes a prova, mas sabe que para tal terá de fazer um excelente contrarrelógio em Lagoa, na sexta-feira. “Vimos hoje o percurso. Não é muito fácil, mas vou dizer que gosto, tenho uma hipótese de vencer. Estou feliz”, assumiu.

Nas suas duas vitórias no Algarve, a prova tinha apenas uma chegada em alto, no Malhão, mas agora, além da chegada da última etapa, os ciclistas têm mais um dificuldade, com a subida a Fóia, na segunda tirada.

“Eu não gosto muito das montanhas. Mas acho que é possível manter-me na frente. Mas ainda estamos no início da temporada, antes de mais tenho de ver em que momento estou. E volto a dizer que o principal objetivo é o contrarrelógio, mas vou lutar nas montanhas”, assegurou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Bruno de Carvalho

Bater no fundo /premium

Paulo de Almeida Sande

Que país somos, afinal? Seremos talvez o país da irreverência reverente, que tanto goza como adula, sejam líderes partidários sejam (sobretudo) presidentes dos (nossos) clubes. 

Global Shapers

Carta aos pais de filhos na alta competição

Diogo Ganchinho
204

Não saber perder significa não aceitar a derrota com humildade. Existe algo na vitória que jamais se poderá perceber na derrota. Perder e aceitar isso, permite uma aprendizagem oculta nas vitórias.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)