Rádio Observador

BCE

Eurogrupo e Portugal apoiam nomeação do espanhol De Guindos para vice-presidente do BCE

Os ministros das Finanças da zona euro apoiaram a designação do ministro espanhol para a vice-presidência do BCE. Portugal considera que De Guindos "reúne todas as condições".

Javier Lizon/EPA

Os ministros das Finanças da zona euro, reunidos em Bruxelas, apoiaram esta segunda-feira a designação do ministro espanhol Luis de Guindos para suceder a Vítor Constâncio na vice-presidência do Banco Central Europeu (BCE).

Com a ‘luz verde’ do Eurogrupo, anunciada por Mário Centeno na sua conta na rede social Twitter, o Conselho de Ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin) deverá adotar formalmente esta terça-feira a recomendação para o Conselho Europeu, composto pelos chefes de Estado e de Governo da UE, que consultará então o Parlamento Europeu e o Conselho de Governadores do BCE, devendo adotar a sua decisão final na cimeira de 22 e 23 de março próximo.

Luis de Guindos, que ficou com o caminho aberto para a vice-presidência do BCE depois de a Irlanda ter retirado a candidatura do governador do banco central irlandês, Philip Lane, deverá iniciar o seu mandato de oito anos em 1 de junho, data em que sucederá a Constâncio, que ocupa o cargo desde junho de 2010.

De Guindos “reúne todas as condições”, considera Portugal

O Governo português saudou esta segunda-feira a escolha do ministro da Economia espanhol para suceder a Vítor Constâncio na vice-presidência do Banco Central Europeu, considerando que Luis de Guindos “reúne todas as condições para desempenhar essa função com total independência”.

O secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, que representa Portugal nas reuniões dos ministros das Finanças da zona euro desde que Mário Centeno é presidente do Eurogrupo, comentou no final do encontro em Bruxelas que Luis de Guindos tem “boas credencias para ser um ótimo vice-presidente do BCE” e refutou a ideia do perigo de uma “politização” da instituição por ter sido escolhido um ministro das Finanças e não um governador de banco central.

“Não, não compreendo (as críticas), porque um banqueiro central é um decisor central, decide sobre política monetária, que também é uma política e uma política bastante importante. É uma política que os países que decidiram entrar na área do euro decidiram nessa altura entregar ao BCE, e portanto acho que é fundamental que à frente do BCE tenhamos decisores políticos experimentados, que estão habituados a decidir em situações de stresse, em situações de pressão, e portanto acho que Luis de Guindos reúne todas as condições para desempenhar essa função com total independência. Não me parece que exista aqui qualquer questão a esse nível”, declarou.

O secretário de Estado recordou que “o Governo português considerou que De Guindos reunia as condições para ter o apoio de Portugal”, lembrando a sua “experiência bastante grande”, em particular os seis anos enquanto ministro da Economia espanhol, período durante o qual enfrentou uma crise grave, da qual o país saiu com um crescimento robusto.

Mourinho Félix rejeitou por isso que o apoio de Portugal tenha sido uma “moeda de troca” por Espanha ter apoiado Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo.

“Não há nenhuma moeda de troca. Mas Portugal e Espanha têm relações históricas. Não é deste Governo nem do atual Governo espanhol, é de muitos governos de há muitos anos e portanto é algo que também surge como natural. Mas não há aqui nenhuma moeda de troca por coisa nenhuma”, assegurou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)