Não eram “ameaças diretas” mas na “perspetiva do obscuro”: se a cliente não pagasse as consultas, algo podia acontecer à sua família, “por obra e graça dos deuses”, explica fonte da Polícia Judiciária (PJ) da Guarda, ao Observador. Foi assim que um burlão, que se apresentava como vidente no concelho de Seia, conseguiu manter o silêncio da sua vítima durante cerca de oito meses, entre junho de 2016 e fevereiro do ano seguinte.

O burlão de 29 anos foi detido esta terça-feira — um ano depois de ter sido apresentada queixa. É que o suspeito “não tinha pouso certo” e “só agora foi descoberta a sua localização”, em Seia. Através de panfletos que deixava nos carros estacionados “por todo o concelho de Seia”, o burlão de 29 anos convencia a população de que era “detentor de especiais poderes curativos para a resolução de conflitos familiares”.

Convenceu, pelo menos, uma mulher com “problemas familiares que queria resolver” e recorreu ao burlão que se dizia “detentor dessas capacidades”, contou fonte da PJ ao Observador. A situação “prolongou-se por vários meses” e, ao longo desse tempo a mulher “foi largando o dinheiro” — entregas de valores que, somados, atingiram os 35 mil euros.

À medida que o tempo foi passando, a mulher foi-se apercebendo do “engano” de que foi alvo, uma vez que os seus “problemas familiares” não estavam a ser resolvidos. “Em determinadas alturas foi intimidada pelo detido“, que terá ameaçado os seus familiares. As consultas aconteciam numa sala do burlão, mas as ameaças “muitas vezes, aconteciam na rua”, quando o suspeito ia ao encontro da vítima.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Até ao momento, só foi identificada esta vítima mas fonte da PJ revelou ao Observador que têm a convicção de que existem mais vítimas, até porque acreditam que o burlão detido “não praticava os crimes só em Seia”. “Neste tipo de situações é possível haver mais vítimas mas as pessoas acabam por não se queixar”, explicou fonte da PJ.

O burlão vai continuar detido até ser presente às autoridades judiciais competentes para interrogatório e aplicação das medidas de coação.