505kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Via de acesso à praia do Portinho da Arrábida destruída devido a temporal

Este artigo tem mais de 4 anos

A via de acesso à praia do Portinho da Arrábida ficou parcialmente destruída devido ao temporal que se fez sentir. Condutas de abastecimento de água e de energia elétrica ficaram expostas.

2 fotos

O acesso à praia do Creiro (mais conhecida como Portinho da Arrábida) abateu durante a noite de quarta-feira na sequência do temporal que se fez sentir. A situação é descrita pelo presidente do Clube da Arrábida, Pedro Soares Vieira, que ao Observador diz tratar-se de “um muro de proteção que também funciona como caminho de acesso à praia”.

O acesso, continua, separa o mar das casas (essencialmente de veraneio) e a parte atingida pela tempestade desta noite inviabiliza o acesso ao Restaurante Farol, assegura o presidente. “Além de o muro ter abatido, ficaram à mostra as condutas elétricas e as condutas da água”.

Ao Observador, José Luís Bucho, coordenador do Serviço Municipal de Proteção Civil e Bombeiros (SMPCB), confirma que o mar levou parte do caminho no Portinho da Arrábida e assegura que as condutas de abastecimento de água e de energia elétrica que ficaram parcialmente expostas “não constituem uma situação de perigo”. “Vamos colocar sacos com areia para impedir que o mar cause mais destruição. Depois do mau tempo, seguramente que a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) tomarão conta da ocorrência.”

Ao Observador, a APA esclarece que, tendo em conta a “zona colocada a descoberto por ação do mar”, vai proceder “à avaliação técnica da situação com vista ao seu enquadramento financeiro e concretização”, logo que esteja ultrapassado o episódio de forte agitação marítima.

Em maio de 2017, a Câmara Municipal de Setúbal passou a gerir as praias da Arrábida graças a protocolos de gestão celebrados com a Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra e com a Agência Portuguesa do Ambiente, acordos esses que passaram a possibilitar investimentos municipais de mais 3,6 milhões de euros com vista à “melhoria das zonas balneares”.

A gestão das praias, tendo em conta a responsabilidade da autarquia, é do ponto de vista balnear, explica fonte oficial da CM de Setúbal. “O protocolo assinado com a Agência Portuguesa de Ambiente para a delegação de competências na autarquia sadina da gestão das praias do Portinho, Creiro, Galapinhos, Galapos e Figueirinha incide em matérias relacionadas com apoios de praia e equipamentos”, lê-se em nota de imprensa.

Não obstante, Pedro Soares Vieira, presidente do Clube da Arrábida, fala numa situação “fruto de um abandono profundo” e associa-o ao “profundo desassoreamento” no Portinho da Arrábida. “Ao longo dos últimos 50 anos, o Portinho teve um desassoreamento brutal em que se perderam perto de 1.000 metros de comprimento de costa”, diz ao Observador. “Ou seja, a areia desapareceu. Ao não haver areia na praia deixa de existir proteção natural. A areia tem a função de amortecer a força do mar.” 

Em fevereiro de 2010 aconteceu uma situação idêntica no Portinho da Arrábida, quando a proteção “do caminho de emergência que dá acesso às praias” abateu devido a um temporal. À data foram precisos nove meses para ser feita a reparação do caminho em questão, assegura Pedro Soares Vieira.

Em 2011, o Clube da Arrábida realizou um colóquio sobre o tema “que juntou os maiores especialistas em erosão costeira”, cujos resultados foram posteriormente publicados num livro apoiado pela Câmara Municipal de Setúbal, Parque Natural da Arrábida e Ministério do Ambiente. Na altura, “apontava-se a necessidade de um estudo de impacto urgente para mitigar os problemas de erosão costeira”.

No verão de 2017 foi divulgado um estudo elaborado pelo Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG) que recomendava um plano de intervenção devido ao “estado de degradação” no Portinho da Arrábida. De acordo com o estudo, citado pelo jornal Público, o areal do Portinho diminuiu “de forma acentuada” nos últimos 100 anos, “reduzindo substancialmente” a qualidade balnear.

Artigo atualizado às 17h46

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.