O próximo terramoto europeu está por perto, à distância de uma promessa eleitoral falhada. Após garantir durante a campanha que não faria nenhuma coligação com qualquer partido, o Movimento Cinco Estrelas (M5E) tornou-se no maior partido de Itália, com mais de 30% dos votos nas duas câmaras do parlamento italiano. Agora, se quiser governar, terá de quebrar a sua promessa eleitoral e estender a mão a outras forças políticas que a possam levar a uma maioria no parlamento. Por essas contas, pode passar uma aliança com a extrema-direita eurocética, o que pode colocar a Europa à beira de um ataque de nervos.

Depois das eleições deste domingo o M5E, liderado por Luigi Di Maio, está na mó de cima em qualquer negociação para chegar a um novo governo. Com o centro-direita e a soma dos partidos do bloco central (Força Itália e Partido Democrático) a ficar aquém de uma maioria absoluta, o M5E tornou-se no pivot da política italiana.

Foi já com esse novo status quo no horizonte que Alessandro Di Battista, deputado do M5E, disse: “As outras forças políticas devem vir falar connosco, utilizando os nossos métodos: transparência, correção e credibilidade, baseados em propostas e soluções que queremos garantir a este país”.

Horas depois, Ricardo Fraccaro, também deputado do M5E, tornava a insistir na mesa de negociações — e na posição dominante do seu partido. “Ninguém pode governar sem o M5E. Só um governo do M5E pode dar um programa real de governo a este país”, disse. “A coisa mais bonita dos próximos dias é que vamos falar com todas as forças políticas sobre o conteúdo. Sobre coisas de que o país precisa. Nós estamos prontos.”

O M5E está, afinal, disposto a falar. Mas com quem? Este domingo, nada ficou fechado. Porém, já há algumas pistas.

Do Partido Democrático (PD), liderado por Matteo Renzi, as declarações que surgiram foram de reconhecimento da derrota. O bloco do centro-esquerda ficou em terceiro nestas eleições, atrás do M5E e do centro-direita. O facto de ser o segundo maior partido é, neste contexto, um fraco consolo para o PD. “Com estes números vamos para a oposição”, disse o deputado do PD Emanuele Fiano, próximo de Matteo Renzi. O vice-presidente do partido, Maurizio Martina, admitiu que este é um resultado “muito claro na sua negatividade”. De Matteo Renzi não se ouviu nenhuma palavra, mantendo-se a dúvida em torno de uma possível demissão da liderança do partido.

Matteo Renzi não apareceu em público na noite eleitoral. A sua demissão é apontada como uma consequência provável, sobretudo se o Partido Democrático não passar dos 20%

Entre os partidários do Força Itália (FI), de Silvio Berlusconi, o silêncio foi regra. O centro-direita, coligação pré-eleitoral da qual faz parte do FI, foi o maior bloco das eleições. Porém, o desfecho não favorece o partido de Silvio Berlusconi. O FI e Il Cavaliere tinham nestas eleições uma aposta complicada: Silvio Berlusconi, condenado por evasão fiscal e aos 81 anos, liderava o seu partido apesar de ser estar legalmente impedido de desempenhar cargos políticos. Aliou-se, como de costume, a partidos do centro-direita da extrema-direita, entre os quais o Liga. No final, os eleitores do centro-direita demonstraram que preferiram a Liga ao FI. Assim, invertendo o que era uma constante no centro-direita, a Liga passou a ser o maior partido deste bloco — e essa mudança não é de somenos.

O que fará a Liga com esta prestação? Do lado do FI, o desejo parece ser o de que não deserte o bloco do centro-direita. “Não acho que a Liga vá fazer um acordo com o M5E, o acordo com o centro-direita é forte”, disse Paolo Romani, líder da bancada do FI no Senado, na tertúlia eleitoral da RAI1.

Matteo Salvini, líder da Liga, também não fez declarações no domingo, além de um “OBRIGADO!”. Se o centro-direita governar, tudo indica que será ele o primeiro-ministro.

No entanto, independentemente do wishful thinking dos correlegionários de Silvio Berlusconi, o partido de Matteo Salvini foi ambíguo nas declarações que fez na altura de avaliar os resultados. Em conferência de imprensa, Giancarlo Giorgetti, vice-presidente da Liga, disse: “Naturalmente, primeiro falaremos com os nossos aliados”. Giancarlo Giorgetti deixou então claro que o seu partido vai falar com o Força Itália primeiro, mas será que depois vai sentar-se à mesa com o M5E? Numa conferência de imprensa sem direito a perguntas dos jornalistas, ficou tudo por esclarecer. Apenas disse: “Sabemos o que devemos fazer. Vemos o futuro com grande tranquilidade e serenidade”.

Mais tarde, outro dirigente da Lega, Lorenzo Fontana, tornou a deixar uma mensagem que pode insinuar uma aproximação ao M5E e um afastamento do FI, pondo fim ao bloco de centro-direita. “Começou a revolução do bom senso, graças à democracia e aos nossos cidadãos, que finalmente perceberam que o mainstream e os grandes poderes não defendem os seus interesses”, disse. Haverá político mais mainstream e homem mais representativo dos “grandes poderes” italianos do que Silvio Berlusconi? A pergunta é retórica, mas as palavras de Lorenzo Fontana deixam pouco espaço para dúvidas.

Da parte de Matteo Salvini, não houve discursos. Apenas um tweet“A minha primeira palavra: OBRIGADO!”.

Ao M5E e à Liga pode ainda juntar-se o Irmão de Itália (IdI), partido de extrema-direita eurocética que também fez parte do bloco do centro-direita.

Em todas as projeções, a soma das percentagens previstas para estes três partidos eurocéticos e populistas ultrapassavam os 50%. E, mesmo que isso não se traduza em assentos parlamentares — na nova lei eleitoral italiana, um terço dos deputados são eleitos em círculos uninominais —, isso não esconde o facto de metade dos italianos terem votado em partidos anti-sistema, que já defenderam a saída de Itália, a quarta maior economia da Europa, tanto da UE como do euro.

Euroceticismo, imigração, impostos: o que une e separa M5E e Liga

Entre os dois partidos, há vários pontos em comum. Um deles, diz respeito a um dos principais temas destas eleições: o combate à imigração. Tanto um partido como o outro pretende diminuir a imigração — mas em graus diferentes, com métodos distintos. O M5E quer simplificar (leia-se, facilitar) o processo de deportação de imigrantes clandestinos e prometeu a contratação de 10 mil funcionários públicos que terão a missão de determinar quem sai e quem fica em Itália. Já a Liga prometeu expulsar todos os imigrantes clandestinos de Itália — um fim que poderá passar pelos meios propostos pelo M5E.

Depois, a União Europeia e o euro. Nestes dois temas, ambos os partidos já demonstraram posições mais aguerridas do que aquelas que levaram para a campanha eleitoral. Ainda assim, a Liga quer discutir um regresso ao tempo pré-Maastricht — o que implicaria uma saída do euro — e o M5E não descarta essa ideia. Na prática, os dois partidos podem chegar a um consenso que passaria pelo recrudescimento da mensagem de Itália para Bruxelas — onde a crise migratória, que se sente em Itália como em nenhum outro país europeu à exceção da Grécia, seria um factor importante.

Até no combate às vacinas os dois partidos estão em acordo. Os dois querem baixar de 10 para 4 o número de vacinas obrigatórias para menores de 16 anos. Por isso, com algum exagero, há quem chame a este hipotético acordo uma aliança anti-imigração, anti-Europa e anti-vacinas.

Luigi Di Maio (à direita) liderou o Movimento 5 Estrelas (fundado por Beppe Grillo, à esquerda), nestas eleições. O partido orgulha-se de nunca ter negociado com outras forças políticas, garantindo que seria smepre assim. Agora, se quiser governar, terá de quebrar essa promessa política.

Mas também há diferenças entre estes dois partidos. A maior, tem a ver com a política fiscal que cada um defende. A Liga, liberal no que toca à economia, quer implementar um sistema de flat tax, onde todos os cidadãos pagam os mesmos 15% de impostos sobre o rendimento. Já o M5E, cujo crescimento é feito através da sedução de eleitores do centro-esquerda, não acredita nesse modelo. Luigi Di Maio disse até que a flat tax é uma solução “inconstitucional”.

Para já, o espetro de um governo populista e eurocético em Itália é ainda distante — e não é certo que se venha a concretizar. Este só se concretizará se o M5E demonstrar flexibilidade para negociar com outros partidos — algo que se gaba de nunca ter feito nos seus quase 9 anos de existência — e se a Liga e os IdI estiverem dispostos a sair debaixo do telhado do Força Itália, de onde nunca verdadeiramente saíram, no que toca à política nacional.

Os próximos tempos serão marcados por negociações entre partidos, com os quais o Presidente, Sergio Mattarella, estará reunido. Será a ele que caberá a tarefa de indigitar o candidato a primeiro-ministro, que terá depois de ser aprovado pela maioria das duas câmaras do parlamento italiano: o Senado e a Câmara dos Deputados. Desde 1992, em média, os governos italianos tomaram posse 51 dias depois das eleições.

Seja como for, a noite de 4 de março foi de gáudio para alguns dos eurocéticos mais ilustres da Europa. O antigo líder do UKIP e uma das personalidades mais conhecidas da campanha de 2016 pelo Brexit, Nigel Farage, deu os “parabéns” aos seus “colegas” do M5E.

Também Marine Le Pen, líder da Frente Nacional, em França, assinalou com felicidade as primeiras projeções em Itália. “A União Europeia vai ter uma noite má… :D” , escreveu Marine Le Pen, no Twitter.

Outro eurocético que acompanhou as eleições italianas — neste caso, deslocou-se mesmo até Roma — foi o antigo chefe de estratégia da Casa Branca de Donald Trump, Steve Bannon. Numa entrevista publicada na manhã de domingo no Corriere Della Sera, o antigo diretor do Breitbart falava sobre a possibilidade de uma coligação governativa do M5E e da Liga: “Uma coligação entre todos os populistas seria fantástica. Iria perfurar o coração de Bruxelas, ia meter-lhes um medo tremendo”.