Meteorologia

Proteção Civil baixa nível de alerta na bacia do Tejo

A Proteção Civil baixou o nível de alerta no Tejo, apesar de a "instabilidade meteorológica que ainda" se verificar. As recomendações para a população mantêm-se ainda por estes dias.

PAULO CUNHA/LUSA

O nível de alerta do Plano Especial de Emergência na Bacia do Tejo baixou de amarelo para azul, devido à redução dos caudais do rio Tejo, mas a Proteção Civil mantém as recomendações às populações ribeirinhas.

Em comunicado, o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém afirma que decidiu baixar o nível de alerta, colocado no nível amarelo na manhã de sábado, a partir das 22h00 de domingo, mas sublinha que a “instabilidade meteorológica que ainda se verifica” leva a que se mantenham as recomendações para que as populações retirem equipamentos e animais das zonas normalmente inundáveis e que não atravessem, com viaturas ou a pé, estradas ou zonas alagadas. O plano especial tem quatro níveis: azul, amarelo, laranja e vermelho (o mais grave).

No domingo, “o caudal do rio Tejo registou ligeiras variações, mantendo-se um caudal médio abaixo dos 1.046 metros cúbicos por segundo”, refere o comunicado emitido perto das 24h00 de domingo, adiantando que “as barragens de Fratel, Pracana e Castelo de Bode têm debitado nas últimas horas valores com alguma flutuação entre os 800 metros cúbicos/segundo e 1200 metros cúbicos/segundo”.

“Poderão ainda verificar-se algumas oscilações pontuais, mas a previsão vai no sentido de uma redução gradual dos caudais”, afirma o CDOS de Santarém. “O regresso total das águas ao seu leito normal será lento, dificultando a normalização da circulação rodoviária”, acrescenta.

Segundo o CDOS, no domingo à noite estavam ainda submersos os caminhos municipais 1445, entre Rebolo e Biscaínho, e 1427, entre Amieira e Raposeira, a estrada municipal 590, entre Couço e Santa Justa, e o caminho agrícola entre as estradas nacionais 114 e 251, no concelho de Coruche.

No município de Santarém, encontravam-se submersas as pontes dos Alcaides — Almajões e da Vala de Calhariz, bem como o caminho municipal 1348, entre Ribeira de Santarém e Vale Figueira, e no de Benavente a estrada municipal 1456, da Ponte Benavente para a Reta do Cabo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desrespeito como forma de governar /premium

André Abrantes Amaral

Costa desvaloriza os factos, desconsidera e desrespeita as pessoas porque dessa forma se desresponsabiliza. Tal é possível porque o PS estagnou, não só a economia, mas também a essência da democracia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)