Foi Stefano Domenicali, o CEO da Lamborghini, que anteriormente dirigiu os destinos da Ferrari na Fórmula 1, que confessou estar muito satisfeito com a aposta no Urus. E há razões de sobra para este estado de espírito, pois não a procura está a ser superior ao previsto, como disparou o número de mulheres no rol dos clientes e, como se isso não bastasse, o valor médio da factura é superior em 20% ao preço base, tudo devido ao reforço do nível de equipamento.

Não foi fácil optar pela inclusão de um SUV no portefólio de uma marca que, se bem que início tenha começado por produzir tractores agrícolas, há muitos anos que apenas se dedicava a superdesportivos, tão potentes quanto baixos e esguios. Mas agora, e passados apenas poucos meses, respira-se um clima de alívio pelas bandas de Sant’Agata Bolognese, pois se a procura pelo único SUV da Lamborghini continua a aumentar a bom ritmo, os clientes em média carregam os seus Urus com mais 20% do seu preço original, em equipamento. E, o mais interessante, é que 70% dos clientes que adquirem o Urus, nunca antes tinham comprado, ou pensado em comprar, um Lamborghini.

Este tipo de comportamento não é específico de nenhum mercado em particular, sendo antes uma opção generalizada. Basta ver que se os portugueses, onde o modelo é proposto por 250.000€, o adquirem em média por 300.000€, a proporção se mantém nos EUA, onde aos 200.000 dólares de preço base (163 mil euros), os clientes acabam por somar mais 32.500€.

O Urus está equipado com um motor 4.0 V8 biturbo de 650 cv, a gasolina, que lhe permite alcançar 305 km/h e os 100 km/h em somente 3,6 segundos. E Domenicali confirma ainda que os lucros consideráveis que o Urus está a permitir à Lamborghini vai ser aplicado em novos superdesportivos, com o próximo a ser apresentado em breve: o Aventador SVJ com mais de 800 cv.