Óbidos

Festival de Chocolate de Óbidos prolongado para compensar público pelo mau tempo

O Festival Internacional de Chocolate de Óbidos vai ser prolongado por mais dois fins de semana para compensar o público pelo encerramento devido ao mau tempo.

CARLOS BARROSO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Festival Internacional de Chocolate de Óbidos vai ser prolongado por mais dois fins de semana, durante o mês de abril, para compensar o público pelo encerramento devido ao mau tempo.

O Festival Internacional de Chocolate de Óbidos (distrito de Leiria) “terá um prolongamento de mais dois fins de semana, durante o mês de abril”, divulgou esta sexta-feira a autarquia, que, após um interregno para as celebrações da Semana Santa, reabrirá o certame “de 13 a 15 e de 20 a 22 de abril”.

A decisão de pela primeira vez realizar o festival em duas fases tem por base “as condições meteorológicas adversas” que ao longo da edição, que abriu portas a 23 de fevereiro, “fizeram com que em grande parte dos dias não fosse possível proporcionar uma visita confortável ao evento”, explicou a organização num comunicado.

O festival, que este ano tem como tema “as alterações climatéricas, chegou mesmo a ser encerrado, no passado dia 09, devido às previsões de mau tempo.

O evento está aberto ao público de sexta-feira a domingo e mostra este fim de semana ao público “Glorious”, o bombom mais caro do mundo, vendido a 7.728 euros.

O bombom é produzido pelo mestre ‘chocolatier’ Daniel M. Gomes, é revestido a puro ouro de 23 quilates e junta ao chocolate Valrhona negro equatorial filamentos de açafrão, trufa branca Perigord, óleo de trufa branca, baunilha de Madagáscar, flocos de ouro e um ingrediente secreto.

É produzido numa edição limitada de apenas mil bombons, vendidos numa embalagem composta por uma base de madeira lacada a preto, com a gravação em ouro do número de série e uma campânula em cristal, revestida a milhares de cristais e pérolas Swarovski e com uma pega em fita de ouro. O bilhete de entrada geral no evento é de 6,5 euros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)