O vice-presidente do PSD, Manuel Castro Almeida, um dos elementos escolhidos por Rui Rio para a nova comissão política social-democrata, defende que o secretário-geral do partido, Feliciano Barreiras Duarte deve ponderar “se tem ou não tem condições” para continuar no cargo, depois da polémica em torno do currículo académico.

“Tenho a certeza de que ele está a avaliar”, afirmou Castro Almeida numa entrevista à Antena 1, que será transmitida no sábado às 12h. O vice-presidente do PSD lamentou que o caso se arraste “há algum tempo” e garantiu: “Isto não aconteceria comigo“.

Ministério Público investiga Feliciano. Secretário-geral do PSD não se demite

Na entrevista, Castro Almeida falou da situação atual do PSD e reconheceu que “as coisas não estão a correr bem” no primeiro mês da nova direção de Rui Rio.

Um dos casos sobre os quais falou foi o de Salvador Malheiro, presidente da câmara de Ovar e também membro da direção de Rui Rio, que esteve no centro de um esquema de caciques para angariação de votos para Rio.

“Não podemos deixar que a vida política seja assaltada por denunciantes anónimos que afastam qualquer pessoa séria da política”, disse Castro Almeida, sublinhando que “se for apurada responsabilidade criminal evidentemente que se repercutirá na esfera política, mas se não for não há consequências a tirar”.

Sobre a relação com os outros partidos, Castro Almeida não negou a possibilidade de uma coligação com o CDS para formar governo. “Seria excelente que o CDS consiga ficar à frente do Bloco de Esquerda e que fique em terceiro lugar, isso é que era o panorama perfeito para podermos formar governo”, disse.