Rui Rio

Rui Rio em Bruxelas. Caso Feliciano foi “um massacre, um exagero”

176

À chegada à sua primeira reunião do Partido Popular Europeu, em Bruxelas, Rui Rio disse que na Europa "não há lugar para ser da oposição". Sobre Feliciano, diz que o caso teve "desproporção brutal".

Mário Cruz/LUSA

Rui Rio está em Bruxelas a participar na sua primeira cimeira do Partido Popular Europeu (PPE) e, ao fim de cinco dias de silêncio, comentou a demissão do secretário-geral Feliciano Barreiras Duarte. Disse não ser politicamente correto dizer que o caso que levou à demissão foi “um massacre, um exagero”, mas que “não será preciso muito tempo para as pessoas perceberem que houve uma desproporção brutal“. E afirmou: “O tempo é o melhor conselheiro”.

“Dizer isto neste momento pode não ser politicamente correto, mas não vai ser preciso muito tempo para as pessoas perceberem”, insistiu, aproveitando para deixar uma crítica à “sociedade”, que está a ser alvo de “uma transformação negativa”: “Costuma-se dizer que ninguém está imune a polémicas, que quem não deve não teme, mas agora mesmo quem não deve tem de temer“, disse.

Já sobre a crítica deixada por Pedro Santana Lopes na terça-feira, no espaço de comentário na SIC, quando disse que estava “na hora de Rui Rio inaugurar a liderança do partido”, Rui Rio deixou claro que o assunto está esclarecido. “A crítica não era para a direção nacional, é para quem internamente está mais apostado a destruir do que a construir, e ele já teve oportunidade de me explicar que era essa a ideia que queria transmitir”, disse.

Questionado sobre quem deverá ser o cabeça de lista do PSD às europeias de maio de 2019, Rio não levantou a ponta do véu, mas disse que já tinha uma ideia. “Tenho na minha ideia quem deve ser o cabeça de lista, mas não vai ser aqui que eu vou anunciar, com ano e tal de distância”, disse, recusando andar “a reboque” do CDS, que já anunciou no congresso deste mês quem iram ser os três candidatos a eurodeputados.

Eu não ando a reboque do CDS nem do PS, nem de ninguém. Ando a reboque do que considero sensato e equilibrado, não ando aqui para produzir notícias uns à frente dos outros”, disse.

“Não há lugar para ser oposição” em matéria europeia, diz Rui Rio

Na sua estreia em Bruxelas, o presidente do PSD voltou a erguer a bandeira dos consensos com o governo, em nome do interesse nacional. Pelo menos em matéria de política europeia. “Os partidos portugueses devem estar unidos nisso, não há lugar para ser da oposição porque ser da oposição é enfraquecer a posição portuguesa na Europa“, disse Rui Rio aos jornalistas à chegada à sua primeira reunião do Partido Popular Europeu, em Bruxelas, onde vai encontrar-se com personalidades como Angela Merkel, Jean-Claude Juncker ou Donald Tusk.

“O que é que os portugueses querem? Um PSD a aproveitar isto para fazer oposição ao Governo, enfraquecer o governo, e fazer com que isso enfraqueça Portugal? Ou um PSD a defender o interesse dos portugueses e, nesse sentido, reforçar na Europa a posição portuguesa? Não tenho dúvidas disso. Os portugueses de certeza que não querem aproveitamentos políticos, querem que se juntem posições”, disse, explicando que a posição do PSD e do Governo no dossiê da gestão dos fundos comunitários “não é exatamente igual, mas é próxima”.

Aqui a questão era apenas a Europa, mas a ideia é essa, tem sido seguida por Rui Rio desde o primeiro dia, e até é sustentada por sondagens: os portugueses preferem ver PSD e PS a entenderem-se em matérias estruturais, e até querem ver mais acordos em áreas importantes, como a saúde. Questionado sobre a política orçamental comunitária, Rio defendeu que é preciso novas receitas desde que a soberania continue reservada aos parlamentos nacionais.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos
263

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Rui Rio

Dr. Rio, deixe o PS em paz /premium

Rui Ramos
260

Rui Rio ainda quer fazer reformas estruturais com o PS. Mas porque é que o PS haveria de se comprometer em reformas com a direita? Para dar espaço a movimentos à sua esquerda? 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)