Rádio Observador

Natureza

Cientistas querem devolver corais que deram à costa em praias do Algarve

Os corais foram arrancados das rochas no mar pelas tempestades e surgiram em grande quantidade em areais da região algarvia e os cientistas querem agora devolvê-los ao seu habitat natural

XL CATLIN SEAVIEW SURVEY/EPA

Investigadores do Centro de Ciências do Mar (CCMAR) estão a recolher corais que deram à costa em praias do Algarve após as recentes tempestades para os devolver ao seu habitat natural, anunciou esta terça-feira aquele centro da Universidade do Algarve. Os corais, designados por ‘gorgónias’, foram arrancados das rochas no mar pelas tempestades e surgiram em grande quantidade em areais da região algarvia, principalmente na zona da praia de Santa Eulália, no concelho de Albufeira. “Os corais encontrados são de vários tamanhos, estimando-se que alguns deles terão, inclusivamente, dezenas de anos”, destacou a Universidade do Algarve em comunicado.

Segundo os investigadores, foram recolhidas várias espécies vivas, na sua maioria ‘Leptogorgia sarmentosa’ e ‘Leptogorgia lusitanica’, “que estão a ser mantidas e alimentadas em condições controladas na estação de Biologia Marinha na Universidade do Algarve para depois serem transplantadas de volta ao seu habitat natural”. Além daquelas duas espécies, foram recuperados também alguns exemplares de ‘Eunicella verrucosa’, uma gorgónia conhecida pelos pescadores como espelho ou ramo.

As várias espécies de corais recolhidas “são extremamente importantes para as outras espécies, pois dada a sua estrutura vertical e ramificada funcionam como as árvores numa floresta, em que a sua forma tridimensional altera o ambiente físico”, criando condições favoráveis para outros animais marinhos. “Além de funcionarem como habitat, também servem como zonas de nidificação para diversos organismos, incluindo espécies de elevado valor económico, como por exemplo o choco”, sublinham os investigadores. Os cientistas do CCMAR estão a recolher a informação sobre os locais onde as ‘gorgónias’ surgiram para poderem documentar a destruição dos corais pelas tempestades, assim como para posteriores estudos de monitorização.

Para que seja possível uma maior monitorização, o CCMAR apela a todas as pessoas para que deem o seu contributo no caso de avistarem corais ou outros seres marinhos dentro ou fora de água, assinalando os locais. As informações e fotos podem ser enviadas através da plataforma online http://marineforests.com . Segundo o CCMAR, o surgimento de organismos marinhos nas praias não é inédito, tendo a praia de Faro sido “invadida por estrelas do mar empurradas pela tempestade”, no início de março, bem como de muitos organismos gelatinosos, cujas espécies mais avistadas foram a caravela portuguesa ‘Physalia physalis’ e o hidrozoário ‘Velela velella’.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Floresta

As lições que continuamos a não querer aprender

António Cláudio Heitor

É mais fácil culpar o desleixo, a mão criminosa e a falta de gestão dos proprietários, do que assumir o erro de centrar as questões no combate. A raiz do problema está na desertificação do mundo rural

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)