Atualizado às 10h15

Há um caso de sarampo confirmado no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, avançou o Correio da Manhã, citando o delegado de Saúde Regional de Lisboa e Vale do Tejo, Mário Durval. Ainda está por confirmar onde terá sido infetado o homem de 39 anos, disse a diretora-geral de Saúde, Graça Freitas, à TVI24.

Segundo Graça Freitas, o doente tem uma ligação profissional ao Porto, mas não é garantido que este caso esteja relacionado com o surto no Norte do país, isto porque o doente também passou por outros sítios, incluindo o Ruanda (África).

Estamos a tentar perceber por onde terá passado e onde pode ter sido infetado. Quero deixar bem claro que ainda não sabemos se o caso tem ligação ao surto do Porto”, disse diretora-geral de Saúde à TVI24.

Durante o atual surto de sarampo, e contando com este doente, já foram confirmados 71 casos, a maioria dos quais com ligação ao Hospital de Santo António, no Porto. Destes, 58 pessoas estão curadas. O último boletim epidemiológico, de terça-feira de manhã, referia que ainda estavam 34 casos em investigação, mas não fazia qualquer referência ao caso de Lisboa.

Sarampo. 34 casos em investigação e 163 negativos

O vírus do sarampo é transmitido por contacto direto com as gotículas infeciosas ou por propagação no ar quando a pessoa infetada tosse ou espirra. Os doentes são considerados contagiosos desde quatro dias antes e até quatro dias depois do aparecimento da erupção cutânea.

Os sintomas de sarampo aparecem geralmente entre 10 a 12 dias depois de a pessoa ser infetada e começam habitualmente com febre, erupção cutânea (progride da cabeça para o tronco e para as extremidades inferiores), tosse, conjuntivite e corrimento nasal. Existe vacina contra o sarampo no Programa Nacional de Vacinação, que deve ser administrada aos 12 meses e cinco anos.