Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O único golo do clássico entre o Sport Lisboa e Benfica e o Futebol Clube do Porto chegou um minuto antes do fim da partida. O relógio já roçava os noventa minutos quando Hector Herrera levou a melhor no duelo frente ao guarda-redes benfiquista, Bruno Varela, e marcou um golo que fez pender o marcador para o lado portista. Herrera não resistiu à felicidade: após ter colocado o Porto novamente na liderança do campeonato, Herrera começou a chorar e tirou a camisola.

A radiografia do golo do médio Hector Herrera faz-se de dezasseis pontos essenciais, desde o remate até à celebração com os adeptos do FC Porto, passando pela tentativa frustrada de defesa de Varela e pelo tirar de camisola e das lágrimas que marcaram o momento de glória do dragão em casa das águias. O Estádio da Luz ficou mais silencioso até que o árbitro Artur Dias assinalou o final de jogo. Esta é a anatomia do jogo que levou o FC Porto para o primeiro lugar da Primeira Liga NOS a quatro jornadas do fim.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR