NATO

Ataques de sábado reduzirão possibilidade de novos ataques químicos na Síria

Secretário-geral da NATO, que se encontra na Turquia, disse esta segunda-feira que o ataque de EUA, Reino Unido e França foi uma "mensagem clara" para Assad, a Rússia e o Irão.

JULIEN WARNAND/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse esta segunda-feira que os ataques de sábado dos Estados Unidos, Reino Unido e França contra alvos na Síria reduzirão a capacidade do Governo de Bashar al-Assad de realizar novos ataques químicos.

Numa entrevista à televisão turca NTV, Stoltenberg afirmou também que o ataque conjunto foi uma “mensagem clara” para Assad, a Rússia e o Irão (seus aliados) de que a utilização de armas químicas não é aceitável e de que os aliados não ficarão de “braços cruzados”.

Washington, Paris e Londres realizaram na madrugada de sábado três ataques, com uma centena de mísseis, contra alvos associados à produção de armamento químico na Síria, em resposta a um alegado ataque com armas químicas na cidade de Douma, Ghouta Oriental, por parte do Governo de Bashar al-Assad.

O responsável da Aliança Atlântica, que está na Turquia para contactos, entre outros com o Presidente Recep Tayyip Erdogan, saudou o “apoio que a Turquia deu à operação”. De acordo com os comunicados oficiais, a visita de Stoltenberg insere-se nos preparativos para a cimeira da NATO em Bruxelas, em julho.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Nicolás Maduro

A Venezuela a ferro e fogo /premium

Diana Soller

Maduro tentará impor a sua vontade, agora que se sente verdadeiramente ameaçado. A oposição sentirá que não tem nada a perder. O que pode, efetivamente, degenerar numa guerra civil.

Web Summit

Explicações de verão /premium

Maria João Marques

Houve quem à esquerda, incluindo alguns deputados, propusesse proibir (o método do costume; é compulsivo) o convite a Le Pen. Mas claro que a expulsão de Alex Jones foi justíssima e motivo de aplauso.

Relações Internacionais

A nova economia política /premium

Manuel Villaverde Cabral

A imprensa diz que o FMI foi ultrapassado pelos acontecimentos e já se identificaram os países que poderão vir a estar na linha de mira dos especuladores. A única defesa de Portugal é a União Europeia

Nicolás Maduro

A Venezuela a ferro e fogo /premium

Diana Soller

Maduro tentará impor a sua vontade, agora que se sente verdadeiramente ameaçado. A oposição sentirá que não tem nada a perder. O que pode, efetivamente, degenerar numa guerra civil.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)