Tribunais

Juízes contestam proposta de novo mapa judiciário

Estudo do Governo propõe medidas para rentabilizar serviços e criação de novo tribunal de comércio no Algarve. Dirigentes de comarcas dizem ao Público que não conhecem documento, mas fazem críticas.

PEDRO FERRARI/Lusa

O Ministério da Justiça levou a cabo um estudo com uma proposta de novo mapa judiciário que já foi enviado para o Parlamento, mas cujos juízes dirigentes das várias comarcas ainda não conhecem. Contudo, alguns revelaram ao jornal Público já ter tido conhecimento informal de algumas das propostas — como a transferência de competências entre tribunais — e a maioria diz ter críticas a apresentar.

Entre as propostas presentes no documento, avança o jornal, está a criação do novo tribunal de comércio de Lagoa, que tem abertura prevista para setembro. Mas a maioria das medidas, contudo, relaciona-se com a distribuição de competências entre os vários tribunais. É o caso da proposta de realização de julgamentos de processos cíveis em tribunais de proximidade, numa tentativa de aproximar tribunais e populações, já que, diz o estudo, “não afetará a capacidade de resposta do atual sistema nem acarretará custos relevantes”.

Outra das ideias contidas no documento é a proposta de que alguns juízes possam ficar afetos não apenas a um único tribunal, mas sim a dois. O Público aponta como exemplo o caso de Amarante: no próximo concurso, os juízes que se candidatarem a esse juízo local cível terão de trabalhar também nos processos de Felgueiras.

Magistrados queixam-se de falta de funcionários e de “esquecimento”

Contactados pelo Público, vários dirigentes de comarca apresentaram as suas queixas. “Brincar com a organização da Justiça traz problemas terríveis”, avisou José Lúcio, do distrito de Beja, que se queixa sobretudo da falta de funcionários judiciais e condições materiais — críticas em que é acompanhado pelo presidente da comarca de Setúbal, Manuel Sequeira.

Ana Mafalda Santos, de Portalegre, lamenta que neste estudo do ministério a sua comarca se mantenha apenas com jurisdição do trabalho, o que leva os processos relacionados com tribunais de família e menores e de execução a terem de ser julgados nos tribunais generalistas. “Esta comarca ficou um bocadinho esquecida. Aqui a reforma parou”, afirmou ao jornal.

Da comarca de Lisboa Norte há críticas por o estudo ter chegado primeiro ao Parlamento do que às comarcas e a partir de Coimbra questionam-se os critérios utilizados: “Os dados com que o Conselho [Superior da Magistratura] está a trabalhar são diferentes dos usados neste estudo para efeitos de contabilização de processos”, aponta Isabel Namora, referindo-se ao método de cálculo do número de processos resolvidos por cada juiz.

Contactado pelo Público, o ministério da Justiça enfatizou que este é um documento de trabalho e não é definitivo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Justiça

Acabe-se com os tribunais administrativos, já!

João Luis Mota de Campos
595

Não é tolerável é manter em (des)funcionamento o actual sistema jurisdicional administrativo, que pode causar a alegria teórica de alguns mas é causador de um intenso prejuízo social e viola direitos.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido
2.582

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)