Tribunais

Juízes contestam proposta de novo mapa judiciário

Estudo do Governo propõe medidas para rentabilizar serviços e criação de novo tribunal de comércio no Algarve. Dirigentes de comarcas dizem ao Público que não conhecem documento, mas fazem críticas.

PEDRO FERRARI/Lusa

O Ministério da Justiça levou a cabo um estudo com uma proposta de novo mapa judiciário que já foi enviado para o Parlamento, mas cujos juízes dirigentes das várias comarcas ainda não conhecem. Contudo, alguns revelaram ao jornal Público já ter tido conhecimento informal de algumas das propostas — como a transferência de competências entre tribunais — e a maioria diz ter críticas a apresentar.

Entre as propostas presentes no documento, avança o jornal, está a criação do novo tribunal de comércio de Lagoa, que tem abertura prevista para setembro. Mas a maioria das medidas, contudo, relaciona-se com a distribuição de competências entre os vários tribunais. É o caso da proposta de realização de julgamentos de processos cíveis em tribunais de proximidade, numa tentativa de aproximar tribunais e populações, já que, diz o estudo, “não afetará a capacidade de resposta do atual sistema nem acarretará custos relevantes”.

Outra das ideias contidas no documento é a proposta de que alguns juízes possam ficar afetos não apenas a um único tribunal, mas sim a dois. O Público aponta como exemplo o caso de Amarante: no próximo concurso, os juízes que se candidatarem a esse juízo local cível terão de trabalhar também nos processos de Felgueiras.

Magistrados queixam-se de falta de funcionários e de “esquecimento”

Contactados pelo Público, vários dirigentes de comarca apresentaram as suas queixas. “Brincar com a organização da Justiça traz problemas terríveis”, avisou José Lúcio, do distrito de Beja, que se queixa sobretudo da falta de funcionários judiciais e condições materiais — críticas em que é acompanhado pelo presidente da comarca de Setúbal, Manuel Sequeira.

Ana Mafalda Santos, de Portalegre, lamenta que neste estudo do ministério a sua comarca se mantenha apenas com jurisdição do trabalho, o que leva os processos relacionados com tribunais de família e menores e de execução a terem de ser julgados nos tribunais generalistas. “Esta comarca ficou um bocadinho esquecida. Aqui a reforma parou”, afirmou ao jornal.

Da comarca de Lisboa Norte há críticas por o estudo ter chegado primeiro ao Parlamento do que às comarcas e a partir de Coimbra questionam-se os critérios utilizados: “Os dados com que o Conselho [Superior da Magistratura] está a trabalhar são diferentes dos usados neste estudo para efeitos de contabilização de processos”, aponta Isabel Namora, referindo-se ao método de cálculo do número de processos resolvidos por cada juiz.

Contactado pelo Público, o ministério da Justiça enfatizou que este é um documento de trabalho e não é definitivo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)