Ártico

Cientistas medem concentração recorde de microplásticos no gelo do mar Ártico

Cientistas encontraram quantidades elevadas de microplásticos no gelo do mar Ártico, tanto relacionados com a pesca como com o lixo existente no Oceano Pacífico, vindo de terra.

NASA/MARIA JOSE VINAS/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Cientistas de um centro de investigação encontraram quantidades elevadas de microplásticos no gelo do mar Ártico, mais do que em anteriores estudos, tanto relacionados com a pesca como com o lixo existente no Oceano Pacífico, vindo de terra.

Através de medições efetuadas em amostras recolhidas em cinco regiões do oceano Ártico, os especialistas do Alfred Wegener Institute, do Helmholtz Centre for Polar do Marine Research (AWI), na Alemanha, detetaram as “quantidades de microplásticos mais elevadas de sempre”, refere uma informação hoje divulgada.

O estudo que elaboraram, publicado no Nature Communications, refere que as amostras de gelo continham mais de 12 mil partículas de microplástico por litro, a maior parte muito pequenas, número que é “duas a três vezes mais alto do que aquele encontrado nas anteriores medições”.

Os diferentes tipos de plástico deixam uma marca única no gelo o que permitiu aos investigadores chegar às possíveis origens, como a quantidade enorme de lixo presente no oceano Pacífico, mas também as atividades marítimas e a pesca, cada vez mais intensas em algumas partes do Ártico e que deixam sinais como uma alta percentagem de partículas de tinta e de nylon.

Durante o trabalho, os investigadores perceberam que mais de metade das partículas de microplásticos presentes no gelo eram tão pequenas que podiam facilmente ser ingeridas pelos micro-organismos que habitam o Ártico.

Esta observação é muito preocupante pois “ninguém pode dizer com total certeza quão prejudiciais são estas pequeníssimas partículas de plástico para a vida marinha e, em última análise, também para os seres humanos”, explica a bióloga do AWI e uma das autoras do estudo Ilka Peeken.

Da análise das características dos poluentes, os cientistas concluíram que os bocados de gelo vindos das massas de água da zona do Canadá contêm altas concentrações de partículas de polietileno, substância principalmente utilizada nas embalagens.

Assim, assumimos que estes fragmentos têm origem na chamada ‘grande ilha de lixo do Pacífico’ e vêm pelo estreito de Bering [liga os oceanos Pacífico e Ártico entre a Rússia e os Estados Unidos] até ao oceano Ártico trazidos pela corrente do Pacífico”, explicam os investigadores.

A utilização de um aparelho específico permitiu aos cientistas encontrarem “partículas de plástico com somente 11 micrómetros (equivalente à milésima parte do milímetro), o que é cerca de um sexto do diâmetro de um cabelo humano”, refere Gunnar Gerdts, um dos cientistas que participou no estudo.

Mas, os investigadores ficaram surpreendidos ao verificarem que 67% das partículas detetadas no gelo fazem parte da categoria de menores dimensões, ou seja, de “50 micrómetros e menos”, acrescenta.

Encontraram 17 diferentes tipos de plástico no gelo. Além do polietileno e polipropileno (das embalagens), da tinta (dos barcos) e do nylon (das redes de pesca), foram detetados, por exemplo, polyester e acetato de celulose (usado nos filtros dos cigarros).

Estes seis materiais são responsáveis pro cerca de metade do total de partículas de microplástico encontradas.

O grupo de investigação recolheu as amostras de gelo em três expedições no oceano Ártico na primavera de 2014 e no verão de 2015.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)