Através de uma carta e sem um retrato final de três encapuzados, como ficaram conhecidos durante décadas, os membros da ETA anunciaram esta quarta-feira a sua dissolução oficial.

O grupo Euskadi Ta Askatasuna, conhecido pela sigla ETA, foi criado em 1959 e protagonizou durante anos a luta armada pela independência do País Basco, tendo os seus ataques matado mais de 800 pessoas desde que o grupo evoluiu para uma organização paramilitar em 1968. É considerada uma organização terrorista pelos Estados Unidos e pela União Europeia, e, desde que anunciou um cessar-fogo em 2010, tem caminhado para a dissolução — agora tornada oficial.

Numa carta enviada a várias instituições e agentes políticos, o grupo anunciou o seu “ciclo histórico” chegou ao fim e garantiu que dissolveu “completamente todas as suas estruturas”. Em 2017, a ETA tinha anunciado o seu desarmamento. Agora anuncia o fim da sua organização em todas as vertentes: “A ETA dissolveu completamente todas as suas estruturas e dá por terminada a sua iniciativa política”, pode ler-se na carta, a que a agência de notícias EFE teve acesso.

Fontes próximas do processo tinham garantido à agência que a dissolução seria anunciada a cinco de maio, numa cerimónia em Bayona, no País Basco francês. Agora, após ser conhecido o conteúdo da carta, a Agência France Press cita “um alto funcionário do governo basco” que garante que o anúncio definitivo será feito esta quinta-feira, através de um vídeo divulgado pela BBC.

ETA pede desculpa, vítimas não aceitam

Na missiva, os etarras mencionam o “sofrimento” sentido por “todas as partes” e assumem “o sofrimento provocado como consequência da sua luta”. A 20 de abril, noutra carta, a ETA já tinha ido mais longe ao pedir perdão aos familiares das suas vítimas — mas não a todas, apenas às que foram atingidas indiretamente pelos seus atos. “Estas palavras não vão resolver o que aconteceu, nem mitigar tanta dor. Dizemos isto com respeito, sem querer causar nenhuma nova aflição”, escreveram à altura.

Os 5 motivos pelos quais as desculpas da ETA não convencem as vítimas

Agora, como há duas semanas, os familiares das vítimas reagiram com desagrado. Consuelo Ordóñez, irmã do político do PP assassinado pela ETA em 1995 Gregorio Ordóñez, disse esta quarta-feira que este “não é o final que as vítimas mereciam”. A declaração foi feita na apresentação do manifesto “ETA quer pôr o contador a zeros”, um documento que condena “a história de terror” do grupo e pede que sejam apuradas responsabilidades nos crimes por resolver que dizem ter sido levados a cabo pela organização independentista. O documento conta com mais de 40 mil assinaturas.

Em reação à carta dos etarras, o ministro do Interior espanhol, Juan Ignacio Zoido, garantiu que as forças de segurança “continuarão a perseguir os terroristas onde quer que se encontrem”. “O Governo mantém a mesma posição que sempre teve”, disse, citado pelo El Mundo. “Os membros da ETA não obtiveram nada por deixar de matar e nada vão obter por fazer uma declaração a que chamam de dissolução”, afirmou. Mais de 300 etarras estão atualmente a cumprir penas de prisão, incluindo antigos dirigentes como Francisco Mujika Garmendia, José Luis Santacristina e José María Arregi Erostarbe, conhecidos como “a cúpula”.

Depois de anunciar o cessar-fogo e o desarmamento, a ETA anuncia agora a sua dissolução formal, mas sublinha que “o conflito” que o País Basco mantém com Espanha e França não acabou. “O conflito não começou com a ETA nem termina com o final da ETA”, escreve a organização, que admite a existência de “feridas profundas” que necessitam “da cura adequada”. Para isso, “com toda a humildade”, o grupo arrisca dar “uma última opinião”: “A solução do conflito e a construção de Euskal Herria [nome basco para o País Basco] precisa de todos vós, porque o futuro é responsabilidade de todos.”