PS

Sousa Pinto sobre Sócrates: “Continuamos a apreciar uma boa fogueira no Rossio”

151

Deputado do PS diz que em Portugal o "entusiasmo pelo Estado de Direito continua a ser mais pequeno do que o entusiasmo pelos apedrejamentos." Defende que maioria absoluta do PS é difícil.

O deputado socialista Sérgio Sousa Pinto afirmou, em entrevista ao Público e à Renascença, que “é difícil ao PS chegar a uma maioria absoluta” e lembra que o partido “sempre teve condições para governar” em governos minoritários “porque sempre reconheceu o princípio de que o partido que tem mais votos é o que tem direito a governar“. Sérgio Sousa Pinto — que saiu da direção do PS em rutura por não concordar com a formação de um Governo com o apoio da esquerda — sugere assim que o PS só não tem condições de governação garantidas em 2019 porque rompeu com a tradição política em Portugal em 2015.

Sobre o caso Sócrates, Sérgio Sousa Pinto diz que o Estado de direito não lhe atribui “a responsabilidade nem de julgar, nem de condenar ninguém“, mas constata que em Portugal “o entusiasmo pelo funcionamento do Estado de direito continua a ser mais pequeno do que o entusiasmo pelos apedrejamentos e pelos autos-de-fé“. E, naquilo que é uma crítica aos socialistas que se demarcaram de Sócrates — César, Costa, Galamba, entre outros — Sérgio Sousa Pinto atira: “Em 500 anos continuamos a apreciar uma boa fogueira no Rossio, com as pessoas em labaredas, e pouca gente preza verdadeiramente o que é mais importante. E o mais importante é que o Estado de direito português dá sinais de maturidade, aparentemente oferece razões para que nele confiemos.”

Sérgio Sousa Pinto expôs ainda a fragilidade do acordo à esquerda, dizendo que Rui Rio chegou apertou a mão a António Costa que apareceu “ladeado de figuras da chamada ala esquerda do PS, que tanto batem palmas a um acordo com a esquerda, como batem palmas a acordos com a direita.” O socialista destaca que bastou este momento e a “coreografia do frentismo começou a rachar por todo o lado”. É, por isso, que acredita que após as legislativas  “as circunstâncias que vamos viver são inteiramente novas e em larga medida imprevisíveis”.

Questionado sobre se moção de Pedro Nuno Santos — um dos rostos da chamada “ala esquerda” — é um posicionamento para o futuro, Sérgio Sousa Pinto concorda que o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares quer marcar terreno “e abanar dizendo: ‘não se esqueçam de mim, estou aqui na cadeia de montagem‘.”

A nível de ideologia, Sérgio Sousa Pinto avisa que é preciso dizer aos portugueses que “não há nada fora do socialismo democrático e das sociedades de tipo ocidental. Só há um dilema: ou trair, como fez o Syriza e se converteu num partido do socialismo democrático, ou “venezuelizar” o país e a economia. Não há mais nada, tudo o resto são aldrabices, são fantasias, são ilusões.

O socialista diz que muitas vezes reflete sobre quem será a direita do PS e pensa que pode ser ele próprio por ser crítico da solução à esquerda, mas admite que possa ser o próprio primeiro-ministro: “Também já pus a hipótese de ser o dr. António Costa a direita do partido. Isso é tudo uma grande questão lá dentro do Governo que eu não estou em condições de poder…”

Sérgio Sousa Pinto, que preside à Comissão de Negócios Estrangeiros, criticou ainda o facto do Parlamento português ter elogiado a continuidade da União Europeia no acordo com o Irão ao invés de criticar os EUA e a Administração Trump. O socialista criticou ainda o facto de Marcelo e Costa terem demonstrado estar felizes com a decisão da justiça portuguesa enviar o processo do vice-presidente angolano Manuel Vicente para Angola. “Os tribunais decidiram, não compete ao poder político português andar a celebrar uma decisão do poder judicial”, critica Sousa Pinto.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
PSD

Rui Rio

Luis Teixeira

O dr. Rio diz que é social-democrata e que não é de direita. É facto que a social-democracia nunca foi de direita. O problema do dr. Rio é que o povo do PSD também nunca foi social-democrata.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)