Rádio Observador

Igreja Católica

Bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto, vai ser cardeal

2.710

O bispo de Leiria-Fátima vai ser criado cardeal no dia 29 de junho. A nomeação foi publicada este domingo. Vigário de Leiria-Fátima diz que a nomeação reforça ligação entre o Vaticano e Fátima.

D. António Marto, 71 anos, é bispo de Leiria-Fátima desde 2006

JÚLIO LOBO PIMENTEL / OBSERVADOR

O Papa Francisco anunciou este domingo, em Roma, que o bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto, vai ser nomeado cardeal. O consistório (reunião de Cardeais que aconselham o Papa) para a criação de 14 novos cardeais vai ocorrer a 29 de junho, no Vaticano.

António Augusto dos Santos Marto tem 71 anos e é Bispo de Leiria-Fátima desde 2006. Em 2017, por ocasião da celebração do centenário de Fátima, recebeu o Papa Francisco na visita que fez ao país.

Segundo comunicado de imprensa do Vaticano, o Papa afirma que a nomeação dos 14 novos Cardeais “expressa a universalidade da Igreja que continua a proclamar o amor misericordioso de Deus a todas as pessoas na terra.” O mesmo documento pede aos fiéis que rezem pelos novos cardeais.

Nomeação “reforça a ligação do Papa com Fátima”

O vigário-geral da diocese de Leiria-Fátima, padre Jorge Guarda, o braço direito de D. António Marto, considerou, em declarações ao Observador, que a nomeação “reforça a ligação do Papa com Fátima”.

O que pesa nesta nomeação é, sem dúvida, a figura do D. António, pelo seu serviço à Igreja e pela sua dedicação, mas também o contexto em que ele se insere. O facto de ser bispo de Fátima contribuiu, sem dúvida“, sublinhou o padre Jorge Guarda.

Segundo explica o sacerdote, a nomeação dos cardeais é uma forma de estabelecer uma relação mais profunda entre a sé de Roma — liderança universal da Igreja Católica — e as diferentes realidades da Igreja em todo o mundo.

“Os cardeais ficam inseridos na diocese de Roma, como colaboradores diretos do Papa, mas sem saírem da sua diocese local. Estabelece-se uma ligação maior entre a sé de Pedro e as diferentes dioceses do mundo inteiro”, detalhou o sacerdote.

Bispo foi surpreendido com anúncio

O bispo de Leiria-Fátima estava esta manhã a entrar para a celebração do Crisma na catedral de Leiria quando soube do anúncio, explicou ao Observador o padre Vítor Coutinho, vice-reitor do Santuário de Fátima e chefe do gabinete episcopal.

Foi uma “surpresa total”, até para o próprio D. António Marto, sublinhou. Até porque antes do Papa Francisco, os anúncios eram comunicados aos visados antes de serem tornados públicos, mas o Papa mudou os procedimentos, pelo que o bispo acabou por saber da nomeação ao mesmo tempo que o resto do mundo.

O cético de Fátima que se tornou bispo de Fátima

D. António Marto nasceu em Tronco, concelho de Chaves, a 5 de abril de 1947. Fez os seus estudos entre o Porto e Roma, onde concluiu o seu doutoramento sob a orientação do cardeal alemão Joseph Ratzinger, que viria a ser eleito Papa. Foi também em Roma que, em 1977, foi ordenado padre.

Depois de regressar a Portugal, foi ocupando posições académicas até ser nomeado, em 2000, bispo auxiliar de Braga. Da arquidiocese passou para bispo de Viseu em 2004 e dois anos depois para Leiria-Fátima, onde permanece desde então.

Numa longa entrevista de vida que deu ao Observador em maio de 2017, a propósito da visita do Papa Francisco ao Santuário de Fátima, D. António Marto recordou a sua infância e juventude e como foi um cético dos acontecimentos de Fátima até ler as memórias da Irmã Lúcia.

[Recorde aqui um excerto da entrevista de vida a D. António Marto]

O bispo lembra como olhava “com desprezo” para as “expressões de piedada popular”, criticando procissões, peregrinações e até a oração do terço em família, o que levou inclusivamente a conflitos com o seu pai, que não entendia como é que um padre podia criticar aquelas dimensões da fé.

A sua visão racionalista, recorda, punha em causa algumas expressões da fé, sobretudo a piedade popular, algo que era “típico de uma espécie de cultura de elites, que olha com desprezo para o que é do povo, para o que é popular”.

A conversão a Fátima aconteceu em 1997, quando, já considerado um especialista em teologia, foi convidado para um congresso sobre a Eucaristia na Mensagem de Fátima. Ficou perplexo com o convite, pois Fátima não lhe dizia grande coisa, mas acabou por aceitar o desafio.

“Por honestidade intelectual, comecei por ler as Memórias da Irmã Lúcia, pela primeira vez, e fiquei de facto impressionado. Impressionado pela seriedade do que tratava a mensagem”, recordava o bispo, na entrevista. Acabou por ficar convencido. “Pensei que estávamos ali diante de algo muito sério, muito mais sério do que eu imaginava.”

Atualmente, além de bispo de Leiria-Fátima, é também vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa.

Quarto português no colégio cardinalício

A nomeação de D. António Marto vai colocar mais um português no colégio cardinalício, o órgão com responsabilidade para, entre outras coisas, elege o Papa. O bispo de Leiria-Fátima vai juntar-se a dois cardeais portugueses que residem em Roma — D. José Saraiva Martins (prefeito emérito da Congregação para as Causas dos Santos) e D. Manuel Monteiro de Castro (penitenciário-mor emérito da Santa Sé) — e a D. Manuel Clemente, patriarca de Lisboa.

D. António Marto vai falar aos jornalistas às 16h30 a partir do Santuário de Fátima.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)