Prémios e Galardões

Cabo-verdiano Germano Almeida vence Prémio Camões 2018

4.270

Germano Almeida é o segundo escritor de Cabo Verde a vencer o mais importante galardão de literatura de língua portuguesa. Em declarações à Agência Lusa, mostrou-se "feliz" e "surpreendido".

Germano Almeida nasceu em 1945, na ilha da Boavista, em Cabo Verde

Omar Camilo/LUSA

O escritor cabo-verdiano Germano Almeida é o vencedor da edição de 2018 do Prémio Camões. O anúncio foi feito ao final da tarde desta segunda-feira, em Lisboa, pelo ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, após reunião do júri. Germano Almeida é o segundo autor de Cabo Verde a vencer o mais importante galardão de literatura de língua portuguesa, atribuído sobretudo a portugueses e brasileiros desde a sua criação, em 1988. O primeiro foi Arménio Vieira, em 2009.

Germano Almeida — autor que “representa uma nova etapa na história literária de Cabo Verde”, de acordo com o Ministério da Cultura português — nasceu em 1945, na ilha da Boavista, em Cabo Verde. Advogado de profissão, licenciou-se em Direito na Universidade de Lisboa e estreou-se como contista no início da década de 1980, na revista cabo-verdiana Ponto & Vírgula, que ajudou a fundar. Publicou o primeiro livro, O dia das calças roladas, em 1982, ao qual se seguiu O Meu Poeta, sete anos depois.

De entre a sua já extensa bibliografia (editada em Portugal pela Caminho), profundamente marcada pelo humor e pela sátira, destacam-se obras como O testamento do Sr. Napumoceno da Silva Araújo (1991), cujos diretos foram comprados por vários países, como Itália, França, Alemanha, Suécia ou Dinamarca. O livro até inspirou um filme, premiado no Brasil e no Paraguai. Mais recentemente, Germando Almeida publicou A morte do ouvidor (2010), De Monte Cara vê-se o mundo (2014) e O Fiel Defunto, o seu último livro, que será publicado em breve em Portugal.

Uma obra rica, “onde se equilibram a memória, o testemunho e a imaginação”

Na ata do júri do Prémio Camões 2018, lida em voz alta pelo presidente, o brasileiro José Luís Jobim, foi declarado que o galardão foi atribuído ao escritor cabo-verdiano por “unanimidade”, devido à “riqueza de uma obra onde se equilibram a memória, o testemunho e a imaginação”. “Conjugando a experiência insular e da diáspora cabo-verdiana, a obra [de Germano Almeida] atinge uma universalidade exemplar no que diz respeito à plasticidade da língua portuguesa“, ficou escrito no documento, onde o júri deste ano chamou também a atenção para o humor do autor, uma característica que Luís Filipe Castro Mendes admitiu apreciar.

“Tenho um especial gosto em anunciar este prémio”, começou por dizer o ministro da Cultura no Hotel Tivoli, em Lisboa, onde decorreu o anúncio. “Devo dizer que a minha admiração pelo escritor Germano Almeida vem de longe. Acho que tem uma obra extremamente interessante, com originalidade e humor. É um escritor que sabe rir de si e do mundo e que, nesse sentido, apresenta uma visão do mundo muito irónica, crítica, mas sem ser violenta“, afirmou Luís Filipe Castro Mendes, acrescentando: “E é um romancista muito divertido!”.

O embaixador do Brasil em Portugal, Luís Alberto Figueiredo Machado, presente na cerimónia desta segunda-feira, descreveu Germano Almeida como “um grande autor da língua portuguesa” e como “um representante da excelente e riquíssima literatura cabo-verdiana”. Para Luís Alberto Figueiredo Machado, a atribuição do Prémio Camões ao autor de Cabo Verde mostra “o extraordinário rigor que a língua portuguesa tem e o seu enorme futuro”.

Germano Almeida: “Existem muitos escritores que merecem o prémio tanto ou mais [do que eu]”

Contactado pela Agência Lusa, Germano Almeida admitiu estar “surpreendido” mas “muito feliz” por ter recebido o galardão maior da língua portuguesa. “Estou contente, muito feliz por saber que o que escrevo é apreciado ao ponto de me darem um prémio tão prestigiado como o Camões“, disse o escritor, que vive na localidade cabo-verdiana do Mindelo, por telefone à agência de notícias. Considerando que “existem muitos escritores que merecem o prémio tanto ou mais” do que ele, o autor disse ainda que o Prémio Camões é “o reconhecimento do esforço e do trabalho” que tem vindo desenvolvendo há vários anos.

Numa mensagem publicada na conta oficial do Twitter, o primeiro-ministro António Costa congratulou o cabo-verdiano, considerando “merecida” a atribuição do Prémio Camões a Germano Almeida. Manuel Alegre, distinguido com o mesmo galardão em 2017, disse à Agência Lusa que “o prémio é justo e merecido quer para o escritor quer para Cabo Verde”.

O Prémio Camões foi instituído em 1988, em Portugal e no Brasil, com o objetivo de premiar um escritor cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento do património literário e cultural da língua comum”– a portuguesa. O prémio pretende ainda “estreitar e desenvolver os laços culturais entre toda a comunidade lusófona, pelo que a este evento se associam os outros Estados de língua oficial portuguesa”, refere um comunicado do Ministério da Cultura. O primeiro autor a receber o galardão foi o português Miguel Torga, em 1989. No ano passado, o prémio foi atribuído ao também português Manuel Alegre.

O júri do Prémio Camões de 2018 foi constituído pela Professora da Faculdade de Letras da Universidade do Porto Maria João Reynaud, o professor da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Manuel Frias Martins (em representação de Portugal), a professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo Leyla Perrone-Moisés, o antigo professor da Universidade Federal Fluminense e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro José Luís Jobim (em representação do Brasil), a professora da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Ana Payla Tavares (em representação de Angola) e o poeta José Luís Tavares (por Cabo Verde).

Artigo atualizado às 21h56 com as declarações de Germano Almeida à Agência Lusa

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Religião

O Dia Mundial da Religião

Donizete Rodrigues

O Dia Mundial da Religião é um momento ecuménico para promover a convivência, o interconhecimento e o diálogo inter-religioso, buscando um futuro livre de preconceito, discriminação e intolerância.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)