País

Mais de 1.500 técnicos de diagnóstico em manifestação exigem equiparação a função pública

416

Mais de 1.500 técnicos de diagnóstico e terapêutica estão concentrados desde cerca das 16h00 em frente à Assembleia da República, em Lisboa, para exigir uma carreira equiparada à da função pública.

ANDRÉ KOSTERS/LUSA

Mais de 1.500 técnicos de diagnóstico e terapêutica estão concentrados desde cerca das 16h00 em frente à Assembleia da República, em Lisboa, para exigir uma carreira equiparada à da função pública. “O que nos foi apresentado [pelo Governo] não tem equidade nem igualdade em comparação com outras carreiras da função pública”, disse à agência Lusa o presidente do Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica, Luís Dupont.

Cerca das 15:30, começaram a chegar ao parlamento técnicos das 18 profissões que integram os técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica, vindos de todo o país, para reclamar direitos iguais. A marcha que teve início cerca das 15:00 no Marquês de Pombal e foi enchendo várias artérias da cidade, ao som de apitos, de palavras de ordem como “nem menos, nem mais. Direitos iguais”, com vários cartazes e balões negros a acompanhar.

António Nogueira, técnico de análises clínicas, veio de Bragança para manifestar o seu descontentamento em relação à carreira destes profissionais. “Somos a classe da saúde mais mal paga. Socialmente, não somos reconhecidos. A negociação deles [Governo] é não nos permitir ficar sequer próximo de, por exemplo, os enfermeiros”, referiu António Nogueira, que se apresentava todo vestido de preto.

Duas técnicas vindas do IPO de Coimbra e do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra, que seguravam um boneco a caricaturar o primeiro-ministro, António Costa, manifestaram à Lusa um sentimento de injustiça perante o não reconhecimento das suas licenciaturas. “Em termos de profissão e competências, somos reconhecidos a nível europeu como dos mais competentes e, em Portugal, onde somos formados, não nos reconhecem”, apontou a radioterapeuta Ana Oliveira.

A trabalhar como radiologista há 18 anos, Joana Madureira disse sentir-se “injustiçada com o tratamento”. “Há 19 anos que nos têm tratado como bacharéis. É uma carreira que nos trata abaixo de todos os licenciados do país”, lamentou. O presidente do Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica disse à agência Lusa que, às 17h00, os representantes destes profissionais serão recebidos pela Mesa da Assembleia da República, onde pretendem entregar o manifesto subscrito pelos quatro sindicatos que promoveram o protesto.

Cerca das 16:00, fazendo um balanço do protesto, Luís Dupont não se mostrou “surpreendido” com a adesão dos profissionais à greve e à manifestação, uma vez que “a indignação dos técnicos é muito grande”. Sobre os números da greve, o sindicalista afirmou que estão acima de 90%, registando alguns serviços uma adesão de 100%, mantendo-se os serviços mínimos obrigatórios.

No final das escadarias da Assembleia da República, vários manifestantes exibem uma faixa negra com a inscrição “nem mais nem menos, direitos iguais”, sob o olhar de vários agentes da PSP que se encontram na entrada do parlamento. O largo em frente à Assembleia da República está repleto de manifestantes, a maior parte deles vestidos de negro e com batas brancas, resistindo à chuva que cai desde o início da marcha.

Os técnicos de diagnóstico e terapêutica iniciaram hoje às 00h00 dois dias de greve nacional por falta de acordo com o Governo sobre matérias relativas às tabelas salariais, transições para nova carreira e sistema de avaliação. A greve é convocada pelas quatro estruturas sindicais que representam os técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica, sendo que a paralisação deve afetar análises clínicas, meios complementares de diagnóstico e alguns tratamentos.

Os sindicatos alegam que a tabela salarial imposta pelo Governo faz com que cerca de 90% dos técnicos permaneçam na base da carreira toda a sua vida profissional. Além disso, dizem que o sistema de avaliação imposto prolonga a estagnação salarial por mais 10 anos. Argumentam ainda que o Governo violou o acordo firmado com os sindicatos, reduzindo a quota dos que atingem o topo da carreira em 50%. A greve, que se prolonga até às 24h00 de sexta-feira, prevê o cumprimento de serviços mínimos, abrangendo tratamentos de quimioterapia e radioterapia ou os serviços de urgência.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)