Um concerto do músico, cantor e compositor cabo-verdiano Tito Paris, acompanhado por Paulo Gonzo, Don Kikas e Biah Vasconcelos, abre esta quinta-feira a edição deste ano do Encontro de Culturas de Serpa, no Alentejo. O encontro pretende promover “a cultura enquanto fator de desenvolvimento e de união entre os povos” e divulgar práticas culturais do concelho e de outras regiões portuguesas e de países como Espanha, Brasil, Angola e Cabo Verde, com os quais o município alentejano tem laços de cooperação, explica a promotora, a Câmara de Serpa, no distrito de Beja.

Segundo a vereadora do município responsável pelo setor da Cultura, Odete Borralho, o encontro deste ano “pretende reforçar o papel da cultura de matriz popular no fortalecimento da identidade e do desenvolvimento” e continuar “a dar ênfase ao cante alentejano”.

Neste sentido, a programação vai incluir o 1.º Encontro Ibérico Associativo de Cultura Popular, no sábado, e continuar a dedicar o dia 10 de junho, domingo, ao cante alentejano Património Cultural Imaterial da Humanidade. Os espetáculos da principal programação do encontro vão decorrer na Praça da República, a partir das 22h00, e os da programação “fora de horas” no Espaço da Nora, a partir das 00h00.

A principal programação musical vai incluir os concertos de Tito Paris, esta quinta-feira, do cantor português Tiago Bettencourt, na sexta-feira, e da banda portuguesa The Gift, no sábado. Já a programação musical “fora de horas” prevê espetáculos de músicas tradicionais, nomeadamente um do grupo português Danças Ocultas, esta quinta-feira, um do músico brasileiro Fernando Martins, na sexta-feira, e outro do grupo espanhol de folk Acerte, no sábado.

O 1.º Encontro Ibérico Associativo de Cultura Popular vai decorrer no sábado e começar às 10h00 com uma atuação da Banda Filarmónica de Serpa entre a Praça da República e o castelo de Serpa, onde depois haverá “stands” e demonstração de jogos tradicionais de Portugal e Espanha.

Segue-se, a partir das 16h00, no Musibéria, o 1.º Fórum Ibérico Associativo de Cultura Popular, que inclui um debate sobre “O poder transformador da Cultura, do Recreio e do Desporto” e atuações do grupo espanhol de flamenco Coros y Danzas Virgen del Río e dos fadistas Inês Gonçalves e José Limpo.

O Encontro Ibérico Associativo de Cultura Popular termina com um espetáculo de música e dança tradicional com o Grupo de Coros y Danzas Doña Urraca e o Rancho Folclórico de Montemor-o-Novo, a partir das 18h30, no castelo de Serpa.

No domingo, 10 de junho, feriado nacional, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, a programação integra várias iniciativas dedicadas ao cante alentejano, nomeadamente uma mesa redonda, uma exposição, atuações de ranchos e grupos corais e um concerto.

A mesa redonda “O Património Somos Nós!” vai decorrer a partir das 14h30, na Casa do Cante, e juntar a etnomusicóloga Maria do Rosário Pestana e representantes dos grupos corais do concelho de Serpa para falarem de cante alentejano, seguindo-se a inauguração da exposição “Maior do que a longura só a solidão”, com obras do pintor Joaquim Rosa e que ficará patente ao público até dia 31 de agosto.

As atuações de ranchos e grupos corais vão decorrer a partir das 17h00, no castelo de Serpa.

Já o concerto, que marcará o encerramento do encontro de culturas deste ano, vai decorrer a partir das 22h00, na Praça da República, ser dedicado ao Cancioneiro de Serpa e juntar o maestro Nuno Côrte-Real, o Ensemble Darcos e o Coro Ricercare.