Rádio Observador

Formação

Master D para vencer no mercado de trabalho

Centro de formação Master D aposta num conceito inovador para preparar profissionais de qualidade.

Um curso personalizado. É esta a grande chave do sucesso da Master D, um centro de formação à distância, há 20 anos em Portugal, que oferece mais de 30 cursos especializados em áreas emergentes e que abrem as portas ao mercado de trabalho.

Na Master D todos são chamados pelo nome próprio. Tutores e preparadores conhecem bem as especificidades de cada formando e juntos têm o mesmo objetivo: trilhar um futuro de sucesso.

“Aqui são 1 em 1. Acompanhamos pessoalmente cada formando do princípio ao fim do curso”, atesta Elisabete Miranda, responsável pela equipa de preparadores.

A formação Master D é feita à medida e adaptada à necessidade de cada formando, o que permite adotar diferentes ritmos de estudo tanto no formato semi-presencial, como à distância. O plano de trabalho é desenhado em conjunto, num método que se tem mostrado muito eficaz. “Aqui damos respostas de formação ajustadas às necessidades da sociedade atual. Conciliar o conhecimento, com as diversas esferas da vida pessoal e profissional é a base deste conceito inovador”, salientou Carina Alberto, responsável pela equipa de tutores, avançando que pretendem “ajudar o maior número possível de formandos a atingir as suas metas no menor tempo possível, através de um produto adequado e um serviço excelente”.

Potenciar as soft skills

A integração dos formandos no mercado de trabalho é a grande bandeira deste centro de formação. Numa altura em que a concorrência é feroz, os responsáveis da Master D sabem que só a qualidade vence: “Formamos trabalhadores à medida das necessidades da sociedade. E para isso trabalhamos os resultados sempre acima dos 80 % , na nossa metodologia de formação P8.10”, destacou Carina Alberto.

Os números Master D

  • 30 cursos
  • 14 áreas de formação
  • 3000 formandos são acompanhados atualmente
  • Mais de 10 mil profissionais formados desde 2002
  • 4 centros formativos, em Lisboa, Porto, Coimbra e Faro.

Mas não são só as competências técnicas que a Master D pretende que sejam adquiridas nos cursos. As soft skills são também amplamente potenciadas. “Reunimos com o formando, estabelecemos uma relação e tentamos conhecê-lo sempre ao ponto de promover as suas capacidades pessoais”, avançou Elisabete Miranda, focando os vários role play para capacitar ainda mais estes profissionais para a entrada no mercado de trabalho: prepará-los para uma entrevista de emprego, reforçar a capacidade de comunicar, apresentar um currículo criativo ou vincar a necessidade da pontualidade e assiduidade.

Formação aberta desde 2002

A Master D nasceu em Saragoça, em Espanha, em 1994. Chegou a Lisboa em 2002 e atualmente conta com centros formativos também no Porto, em Coimbra e em Faro. Esta multinacional de formação é certificada pela DGERT na área técnica e atualmente é a segunda maior empresa (em volume de negócios) no setor da formação profissional em Portugal. Oferece 30 cursos, distribuídos por 14 áreas de formação: Serviços de apoio a crianças e jovens; Serviços sociais – programas não classificados noutra área de formação; Saúde – Programas não classificados noutras áreas; Ciências dentárias; Turismo e lazer; Marketing e publicidade; Ciências veterinárias; Produção agrícola e animal; Secretariado e trabalho administrativo; Eletricidade e energia; Eletrónica e automação; Ciências informáticas; Marketing e publicidade; Audiovisuais e produção dos media. Contam ainda com uma formação específica na preparação para concursos públicos na área das  Forças de Segurança.

Plataforma intuitiva e inovadora

A formação e-learning e b-learning da Master D coloca à disposição um conjunto de serviços destinados ao apoio e orientação no decorrer da formação. Há sempre um tutor especialista na área que resolverá todas as dúvidas teóricas e que apoia o estudo. Também existe a figura do preparador que orienta a aprendizagem, através da definição de um plano de formação e definição de objetivos personalizados.

Para além do material didático da formação, os formandos têm ainda acesso a diversos materiais complementares, como o Campus Virtual, uma plataforma moderna e muito intuitiva que vai facilitar a realização de atividades pedagógicas e o estudo personalizado. No Campus Virtual, os formandos podem ainda contactar e-tutores, assistir a webinars, agendar reuniões com os preparadores, reservar vagas em workshops e/ou masterclasses presenciais nos centros. E após a conclusão da formação, poderão candidatar-se a um estágio formativo e ter acesso à bolsa de emprego da Master D.

Como ser um formando Master D

É muito fácil: Primeiro tem de fazer o pedido através da página da internet, telefone ou presencialmente num dos centros formativos Master D, depois aguardar o contacto para a realização da primeira entrevista onde serão conhecidas as motivações do candidato e perceber se os requisitos são cumpridos. Após a matrícula, o formando e preparador/orientador desenham o seu plano de estudos e atividades, que é desenvolvido sempre com o apoio do e-Tutor. A partir daí é só desfrutar de um acompanhamento pedagógico único no mercado e amealhar conhecimentos. No final há ainda a possibilidade de realizar um estágio formativo.

A palavra dos formandos

Ruben Lima, de 42 anos, sentiu a necessidade de aprofundar os seus conhecimentos e de ter mais competências numa área na qual trabalha há já 20 anos, mas que está em constante mutação: a informática. A Master D acompanhou-o ao longo de um ano, preparando um plano de curso de acordo com as suas necessidades. “O ensino à medida na Master D fez toda a diferença, pois tenho o meu trabalho e a minha família e tive de ajustar”, destacou, concluindo que sai desta etapa “mais reforçado e motivado, tanto a nível pessoal, como profissional”.

Também Grazielle Herrera, de 38 anos, é um caso de sucesso na Master D. Sempre trabalhou em Administração Pública, no Brasil, e quando chegou a Portugal sentiu a necessidade de adaptar os seus conhecimentos para entrar no mercado de trabalho nacional. Chegou à Master D e entregou-se a 100% ao curso de Assistente Administrativo e Financeiro e, em apenas três meses, concluiu com sucesso o seu trabalho, tanto que começou a ir a entrevistas com regularidade e integrou a equipa de um hospital de Lisboa já este mês. “Fui acolhida de uma forma espetacular, todo o acompanhamento é algo que nos transmite confiança e muito saber. Sou muito grata à Master D”, afirmou Grazielle.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Jesus Cristo

Santos da casa também fazem milagres! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
261

Todas as casas reais peninsulares descendem do profeta Maomé. Há uns séculos, este parentesco era muito indesejável mas ainda poderá ser de grande utilidade, se a Europa for ocupada pelo Islão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)