Rádio Observador

Refugiados

Parlamento condena recusa dos Governos de Itália e de Malta do desembarque do navio Aquarius

Esta sexta-feira, o parlamento condenou a ação dos governos italiano e maltês de não terem permitido o desembarque de 629 migrantes que estavam a bordo do Aquarius.

AFP/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

O parlamento condenou esta sexta-feira a conduta dos governos italiano e maltês pela recusa do desembarque dos 629 migrantes a bordo do navio “Aquarius”, manifestando igualmente o seu pesar pela morte de 650 pessoas no Mediterrâneo apenas este ano.

Estas posições constam de três votos, dois de condenação apresentados pelo PSD e pelo BE, e um de pesar do PS, que foram aprovados pela Assembleia da República. Um outro voto do PCP, que pedia a condenação das políticas que desrespeitam os direitos dos imigrantes e dos refugiados, foi rejeitado, com votos contra de PSD e CDS-PP e abstenção do PS.

O texto rejeitado dos comunistas desafiava a Assembleia da República a condenar “as políticas da União Europeia que desrespeitam os direitos dos migrantes e refugiados”, considerando que a situação agora ocorrida em Itália é disso expressão, e apelava “ao fim da ingerência e agressão nas relações internacionais, ao respeito da soberania e independência dos Estados e dos direitos dos povos, incluindo ao desenvolvimento económico e social”.

O navio Aquarius, da organização não-governamental SOS Mediterranée, foi proibido de atracar no domingo passado em Itália e, depois, em Malta, situação que só foi desbloqueada na segunda-feira com a oferta do primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, de acolher o navio em Valência. O navio partiu na terça-feira para Espanha, escoltado por duas embarcações da Marinha italiana, com as quais repartiu os migrantes que se encontravam a bordo.

No seu voto de condenação, o Bloco refere-se apenas ao Governo italiano, o primeiro a recusar o desembarque, e considera que a decisão se baseou em razões “xenófobas inaceitáveis”. Com a abstenção do PSD, CDS-PP e do deputado socialista Vitalino Canas, a Assembleia da República aprovou o voto do BE, que “condena e repudia a decisão do Governo italiano (…) e apela a que situações como esta não se repitam no futuro”.

O PSD inclui no seu voto de condenação — aprovado com abstenção de PCP e PEV — além do Governo de Itália, o de Malta, e saúda o executivo espanhol por ter aceitado acolher estes 629 migrantes. Os sociais-democratas propuseram, assim, a condenação da conduta dos governos italianos e de Malta e “instam os Estados-membros e as instituições comunitárias a reformar os mecanismos europeus em matéria de política migratória e a aprofundar o seu compromisso de solidariedade”.

Já o PS optou por apresentar um voto de pesar — que mereceu a abstenção do PCP — pela perda de vidas humanas no Mediterrâneo, cerca de 650 este ano e mais de 3000 em 2017. No texto do seu voto, os socialistas saúdam igualmente a atitude do Governo espanhol, de acolher os migrantes do Aquarius, e “repudiam o desrespeito pelos tratados e pelas premissas de solidariedade da UE” por parte de Itália e de Malta.

No entanto, na parte resolutiva — a que vai a votos — o PS não expressa condenação em relação a qualquer Governo, optando por manifestar o pesar pelas mortes registadas no Mediterrâneo e apelar “a um reforço da solidariedade e da primazia da defesa dos Direitos Humanos por todos os Estados europeus”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Imigração

Um desafio exaltante

Guilherme Valente

O grande desafio do nosso tempo é organizar uma política da emigração justa, viável, bem-recebida, aceitável pelos europeus. A Europa não conseguirá ser de facto o refúgio e o emprego do mundo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)