O bastonário da Ordem dos Advogados tem uma remuneração superior à da Procuradora-Geral da República (PGR), Joana Marques Vidal, contrariando o que foi decidido pelo Conselho Geral da ordem.

A notícia é avançada pelo Jornal de Notícias. O Conselho Geral da Ordem dos Advogados determinou, logo após a tomada de posse de Guilherme Figueiredo, que o bastonário iria ter uma remuneração, em termos iliquidos, igual à da PGR , mas isso não aconteceu.

Em 2017, Guilherme Figueiredo recebeu mais 11,695 euros do que a titular do mais alto cargo do Ministério Público: o bastonário ganhou, no total, 119,252 euros enquanto a remuneração de Joana Marques Vidal foi de 107,556 euros.

Se o cenário se mantiver em 2018, a discrepância é ainda maior, chegando quase aos 13 mil euros: Guilherme Figueiredo irá ganhar 122,230 euros — no ano anterior o valor foi inferior porque só recebeu parte da remuneração em janeiro — e Joana Marques Vidal 109,417 euros — a remuneração da PGR irá sofrer um aumento este ano.

Contactado pelo JN, o bastonário da Ordem dos Advogados adiantou que “deu instruções expressas aos serviços para darem integral cumprimento” à deliberação do Conselho Geral. Ressalvou ainda que a sua remuneração, em termos líquidos, chega aos quatro mil euros “com a qual faz face às despesas com a renda da habitação em Lisboa, para onde se teve de mudar”, acrescentando que “faz questão de suportar as despesas com as deslocações entre o Porto, onde o seu agregado familiar está domiciliado, e Lisboa.”