O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) exigiu hoje um reforço de meios e equipamentos de combate aos incêndios e alertou que “há ainda muito por fazer” um ano após os incêndios de Pedrógão Grande, em 2017.

Estas posições foram aprovadas numa reunião do Conselho Nacional do PEV, hoje, em Setúbal, e na qual também se manifestam críticos quanto à dispensa do estudo de impacte ambiental da prospeção de petróleo ao largo de Aljezur, no Algarve.

Ainda sobre os incêndios, os Verdes pedem ainda a “conclusão do projeto piloto do cadastro simplificado que deveria ser expandido a todo o país, bem como a recuperação das segundas habitações que continua sem apoios”, lê-se no comunicado divulgado pelo PEV.

Os Verdes reforçam também o pedido de urgência para as “medidas com vista à recuperação das áreas afetadas pelos incêndios de 2017”, assim como “uma mudança ao nível do ordenamento e gestão do território que tem de passar por uma clara aposta na agricultura familiar e por uma floresta resiliente baseada na diversidade de espécies autóctone”.

O PEV tem dois deputados à Assembleia da República, eleitos na Coligação Democrática Unitária (CDU), que integra o PCP e membros da associação Intervenção Democrática (ID).