Suécia

Tiroteio na Suécia faz três mortos e pelo menos quatro feridos

Um tiroteio na cidade de Malmö, na Suécia, fez três mortos e pelo menos quatro feridos. A polícia está no local e diz que não há razões para alarme público.

JOHAN NILSSON/AFP/Getty Images

Um tiroteio na cidade de Malmö, na Suécia, fez três mortos — de 18, 20 e 29 anos de idade — e pelo menos quatro feridos. As vítimas eram adeptos da seleção sueca de futebol e estavam a ver o jogo do Mundial num café.

“Destacámos muitos recursos para esta ocorrência, que já está estabilizada. Fizemos um perímetro em torno da zona de crime e uma passagem para as urgências hospitalares”, disse aos media no local Stephan Söderholm, da polícia de Malmö.

O estado de saúde dos quatro feridos é para já desconhecido, mas a polícia já adiantou que já foram levados para um hospital. Segundo o jornal Aftonbladet, os feridos são todos homens.

O canal de notícias da televisão pública sueca, o SVT Nyheter, dá conta do relato de testemunhos que indicam que a arma utilizada era automática, disparando vários tiros de forma repetida. De acordo com o jornal Aftonbladet, ouviram-se entre 15 a 20 tiros.

De acordo com o jornal Sydsvenskan, o tiroteio aconteceu no avenida de Drottninggatan, no centro de Malmö. O tiroteio aconteceu perto de um cibercafé, mas as vítimas estariam todas no exterior daquele estabelecimento.

“Algum ou alguns supostamente dispararam a partir de um carro ou de um local fixo contra pessoas que estavam no exterior do cibercafé”, afirmou Thomas Paulsson, porta-voz da polícia, em declarações à agência sueca TT. Uma área de cerca de cem metros no centro de Malmo foi isolada pela polícia, que mobilizou várias unidades para o local do crime.

O tiroteio aconteceu às 20h13 locais (19h13 de Lisboa).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt
António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)