Infarmed

Infarmed. Só 7% dos trabalhadores admitem transferir-se para o Porto

Trabalhadores não querem que o Infarmed seja transferido para o Porto. 97% considera que é algo negativo e só 7% dos funcionários mostrou disponibilidade para se deslocar.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A quase totalidade dos trabalhadores do Infarmed discorda da deslocalização da Autoridade do Medicamento de Lisboa para o Porto e apenas 7% estaria disponível para se mudar, segundo dados de um inquérito realizado esta terça-feira.

No inquérito, promovido pela comissão de trabalhadores do Infarmed e a cujos resultados a agência Lusa teve acesso, participaram 304 dos 356 trabalhadores da instituição, o que representa uma taxa de resposta superior a 85%.

Das respostas obtidas, 99% dos trabalhadores discorda da deslocalização do Infarmed para o Porto, uma decisão que o ministro da Saúde anunciou em novembro de 2017, surpreendendo a instituição e os seus trabalhadores, depois de ser conhecido que a candidatura do Porto a receber a sede da Agência Europeia do Medicamento não tinha sido vencedora.

Para a comissão de trabalhadores, os resultados do inquérito de “vêm consolidar, meio ano depois e sem margem para dúvidas, a posição inicialmente tomada pelos colaboradores”, que após o anúncio do ministro da Saúde se manifestaram contra a intenção de deslocalização num inquérito semelhante.

Segundo o inquérito realizado, apenas 22 colaboradores (7,7%) manifestam disponibilidade para se mudar para a cidade do Porto, com a larga maioria a rejeitar essa possibilidade. À pergunta “Como avalia o impacto para a missão e desempenho do Infarmed de uma eventual mudança para a cidade do Porto?” 97% dos trabalhadores considera que é negativo, 2,3% consideram que não tem impacto e nenhum colaborador admite que possa ter impacto positivo.

O inquérito foi realizado de forma a preservar o anonimato dos colaboradores, através do depósito das respostas em urna. No final deste mês deverá ser apresentado o relatório do grupo de trabalho nomeado pelo Governo para estudar o impacto e os cenários de deslocalização do Infarmed de Lisboa para o Porto.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Um país de tansos e mansos /premium

Luís Reis
1.392

A PGR deveria ter sido reconduzida, Ivo Rosa merecia ter sido sorteado impecavelmente, a decisão sobre o Infarmed só podia ter sido anunciada depois de ponderada e Tancos tinha que ter sido evitado.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)