Semana da Moda de Paris

Uma passerelle arco-íris e Rihanna na primeira fila: a estreia de Virgil Abloh na Louis Vuitton

O designer norte-americano assumiu a direção criativa da marca em março e estreou-se agora na Semana da Moda de Paris. O desfile atraiu celebridades e inaugurou um novo código de vestuário masculino.

A última quinta-feira foi de ouro para a história da Louis Vuitton, marca fundada em 1854. Em plena Semana da Moda de Paris, um calendário preenchido por desfiles de moda masculina de algumas das principais casas internacionais, o designer norte-americano Virgil Abloh estreou-se na passerelle parisiense, depois de ter assumido, em março desde ano, a direção criativa da linha masculina da marca. O momento levou centenas de convidados aos jardins do Palais Royal, em Paris, entres eles celebridades planetárias, estendeu uma passadeira com todas as cores do arco-íris e reinventou-se o guarda-roupa masculino de uma casa centenária à luz das silhuetas de streetwear além Atlântico. A juntar à lista, Virgil, de 38 anos, é o primeiro designer negro a ocupar o cargo de diretor criativo da Louis Vuitton.

“O grande objetivo de uma primeira coleção, seja qual for o cenário, é começar de maneira a que as pessoas percebam o novo vocabulário”, escreveu o designer no Instagram, antes de começar o desfile. Na verdade, a nova linguagem que trouxe para a Louis Vuitton até exigiu um dicionário, nas palavras de Abloh, “uma definição de conceitos e uma exposição de ideias de forma liberal”, acrescentou. Seis páginas de conceitos definidos à maneira do criador. À semelhança das cores que pintaram a passerelle, também a diversidade cultural e étnica foi explorada no desfile. Juntamente com o novo léxico, nos assentos do público estava um mapa que assinalava as cidades de origem de cada manequim e dos respetivos pais. “Esta visão global da diversidade, ligada ao ADN de viagens da marca, é essencial para o meu conceito de desfile”, escreveu na mesma rede social.

Pelos jardins do Palais Royal passou uma autêntica parada de color block, subordinado aos sistemas de cor primário e secundário. Este foi apenas quebrado por gangas e padrões florais. O grito de Abloh rompeu com a formalidade, relaxou a silhueta, ajustou-a a novos materiais e misturou peças de alfaiataria com itens futuristas. Brincou, sobretudo, com os acessórios. Foi muito além da pele castanha de que muitas malas e bolsas icónicas da marca são feitas. Chegou ao verde, ao vermelho e ao plástico e ainda recuperou clássicos do calçado, como as chelsea boots dos anos 60 e os ténis de basquetebol dos anos 80. Ao cruzamento de influências, Abloh juntou referências da cultura popular. O imaginário do filme “O Feiticeiro de Oz”, foi uma delas. É a herança que traz da sua própria marca, a Off-White, criada há cinco anos. A fronteira entre a moda de luxo e a de rua foi mais uma vez posta em causa e com ela a linha que separa o género da própria roupa.

Rihanna, Kanye West, Kim Kardashian e Bella Hadid estiveram entre os convidados do primeiro desfile de Virgil Abloh na Louis Vuitton © Imagens cedidas pela Louis Vuitton

Enquanto isso, a primeira fila encheu-se de admiradores e amigos. Kanye West, amigo e mentor de Virgil Abloh, como bem mostra o momento em que ambos se emocionaram no final do desfile, não foi sozinho. Kim Kardashian, Kylie Jenner e Travis Scott estiveram lá, tal como Rihanna, vestida a rigor com uma criação do designer, Naomi Campbell, ASAP Rocky, Bella Hadid, Rita Ora, Doutzen Kroes e Vincent Cassel. Os músicos ASAP Nast, Dev Hynes, Kid Cudi e Theophilus London também estiveram lá, mas no papel de modelos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)