Horas após o tiroteio na redação que vitimou quatro jornalistas e um assistente de vendas, o jornal norte-americano Capital Gazette publicou a edição de sexta-feira.

Na capa pode ler-se “Cinco mortos a tiro no The Capital”. A manchete é acompanhada pelas fotografias das cinco vítimas e respetivos nomes.

Na edição desta sexta-feira, o jornal inclui ainda uma página em branco como forma de homenagear as vítimas do tiroteio. “Amanhã esta página do Capital vai voltar ao seu propósito fixo de oferecer uma opinião informada aos leitores sobre o mundo que os rodeia. Mas hoje, estamos sem palavras”, lê-se na página de opinião.

O jornalista Chase Cook foi o primeiro a anunciar que o jornal seria publicado na sexta-feira através da sua conta pessoal de Twitter. “Posso dizer-vos uma coisa: vamos publicar o maldito jornal amanhã [sexta-feira]”. Esta notícia foi confirmada horas mais tarde pelo Twitter oficial do jornal.

Esta rede social foi também a plataforma escolhida para partilhar a identidade das vítimas. Numa série de tweets na conta oficial, o jornal partilhou artigos sobre cada um dos funcionários que perderam a vida no ataque desta quinta-feira e lamentou as suas perdas.

Quem eram as vítimas?

Gerald Fischman, 61 anos, redator editorial: o jornalista é lembrado como uma pessoa reservada, cuja personalidade discreta escondia “a mente brilhante, a sagacidade irónica e a ‘pena perversa’ que os seus colegas apreciariam”.

Robert Hiaasen, de 59 anos, director-adjunto: o jornal destaca o “estilo de escrita ironicamente observador” e sua “generosa orientação dos jovens”.

John McNamara, 56 anos, repórter e editor: “Flexibilidade, escrita concisa e extenso conhecimento sobre desporto regional” foram as caraterísticas escolhidas para recordar o jornalista.

Rebbeca Smith, de 34 anos, trabalhava no departamento comercial: a mais jovem vítima do tiroteio tinha sido contratada recentemente, mas o jornal afirma que “já tinha provado o seu valor”.

Wendi Winters, 65 anos, repórter e editora: a jornalista foi lembrada pela “reputação como repórter freelancer prolífica”.