Madonna

Madonna estaciona frota de 15 carros em terreno cedido pela Câmara de Lisboa

15.803

Como o Museu Nacional de Arte Antiga se recusou a ceder o seu estacionamento a Madonna, a Câmara de Lisboa disponibilizou um terreno para a cantora poder estacionar os seus 15 carros.

A Câmara de Lisboa cedeu as traseiras do Palácio Pombal a Madonna para a cantora poder estacionar a sua frota de carros

MANUEL RIBEIRO/AFP/Getty Images

A Câmara de Lisboa cedeu as traseiras do Palácio Pombal, junto à Rua das Janelas Verdes (Lisboa), a Madonna para a estrela pop poder estacionar a sua frota de carros.

A notícia é avançada, este sábado, pelo Expresso. A ideia de colocar as 15 viaturas naquele terreno, contudo, não partiu da autarquia. António Filipe Pimentel, diretor do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), explica ao semanário que foi ele quem fez essa sugestão ao chefe de gabinete de Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa. Isto porque a Câmara, inicialmente, queria que o museu cedesse o seu espaço de estacionamento à cantora norte-americana, algo que António Filipe Pimentel recusou.

Aliás, foi o diretor quem mostrou o espaço, que pertence à Câmara, após o chefe de gabinete de Medina se ter deslocado ao museu “de urgência, depois de ter visto no Google Maps” o estacionamento do MNAA.

O Expresso não especifica como foi feito o pedido de Madonna à autarquia nem há quanto tempo o terreno é utilizado por Madonna, mas um responsável pela construção de um prédio junto ao palácio, citado pelo semanário, fala em cerca de “seis meses”.

A Câmara de Lisboa esclareceu que a cedência do espaço ocorre “apenas durante um período limitado enquanto decorrerem as obras nos prédios nas Rua das Janelas Verdes”, acrescentando que o mesmo terreno já foi “disponibilizado a outras entidades, nomeadamente ao Ministério da Cultura até dezembo de 2017”. Este acordo entre a autarquia e Madonna, no entanto, não será a custo zero: no fim do empréstimo, será cobrada a verba correspondente à renda, segundo o Expresso.

Fonte da Câmara adiantou ainda ao Diário de Notícias que o acordo foi feito oralmente entre Fernando Medina e Madonna, não existindo nada por escrito.

O Observador tentou contactar os assessores da Câmara de Lisboa para obter mais esclarecimentos, mas até ao momento não teve qualquer resposta.

A cantora está a viver no Palácio Ramalhete há vários meses. Muito se especulou sobre a residência da norte-americana, que se mudou para a capital portuguesa no ano passado. E a tarefa de arranjar casa não foi fácil para a estrela pop, que esteve hospedada no Pestana Palace enquanto não se mudava para uma morada fixa em Lisboa.

Inicialmente, falou-se que Madonna se iria mudar para a Quinta do Relógio, um palacete do século XVIII no centro da vila de Sintra, com sete quartos, sete casas de banho, três salas e um grande jardim.

O destino final acabou, no entanto, por ser um hotel na Rua das Janelas Verdes, em Lisboa, e que poderá ser o local tornado famoso por Eça de Queirós, na sua obra “Os Maias”.

Ao longo dos últimos meses, Madonna tem partilhado várias fotografias e vídeos dos quatro filhos mais novos, com quem vive em Lisboa, no que parece ser a sua residência.

Be Humble…………Sit Down ???????????????? #blumarine #lisbonlife

A post shared by Madonna (@madonna) on

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)