O ex-primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, vai responder por três acusações de abuso de confiança, decidiu esta quarta-feira um tribunal de primeira instância da Malásia, num caso de corrupção que envolve o desvio de um fundo de investimento estatal. O ex-primeiro-ministro arrisca uma pena máxima de 20 anos de prisão por cada acusação.

O procurador decidiu transferir o processo para o Supremo Tribunal de Justiça, devido à gravidade do caso. Najib Razak chegou esta quarta-feira a um tribunal de Kuala Lumpur para enfrentar acusações decorrentes de uma investigação de corrupção, dois meses depois do escândalo que levou à sua derrota eleitoral.

Najib foi preso na terça-feira por uma transferência suspeita de 42 milhões de ringgit (8,1 milhões de euros) para as suas contas bancárias a partir da SRC International, uma antiga unidade do fundo de investimento estatal que, segundo investigadores norte-americanos, foi desviado por associados de Najib. O ex-primeiro-ministro arrisca uma pena máxima de 20 anos de prisão por cada acusação.

Najib, de 64 anos, nega qualquer irregularidade e acusou o novo Governo de procurar “vingança política”. Num vídeo pré-gravado e publicado nas redes sociais horas após sua prisão, Najib pediu desculpas aos malaios, mas continuou a clamar inocência. “Como um ser humano normal, eu não sou perfeito, mas acreditem que as acusações contra mim e minha família não são todas verdadeiras”, disse.