A exoneração da diretora do Museu Nacional do Traje, Maria Clara Mendes Vaz Pinto, que deixou o museu no início de junho, foi publicada esta quarta-feira num aviso no Diário da República. De acordo com o aviso n.º 9062 publicado no Diário da República n.º 127/2018, Série II, a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) oficializa a exoneração da diretora daquele museu, que já tinha sido anunciada a 05 de junho.

“Por despacho da Diretora-Geral de 30 de maio de 2018, foi exonerada, a seu pedido, a licenciada Maria Clara Mendes Vaz Pinto no cargo de diretora do Museu Nacional do Traje com efeitos a 1 de junho de 2018”, indica o texto do aviso, assinado pelo diretor do Departamento de Planeamento, Gestão e Controlo da DGPC, Manuel Correia Diogo Baptista.

De acordo com um comunicado divulgado pela DGPC a 5 de junho, José Carlos , o diretor do Museu Nacional do Teatro e da Dança, passou a acumular temporariamente as funções de Clara Vaz Pinto, “que pediu a demissão do cargo por razões de foro pessoal”, até à nomeação de um novo diretor do Museu do Traje, através de concurso público, “cuja abertura será oportunamente publicitada em Diário da República”.

Licenciada em História, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Clara Vaz Pinto assumiu a direção do Museu Nacional do Traje em 2008. Entre 1989 a 1998 foi diretora do Museu de Francisco Tavares Proença Júnior, em Castelo Branco.

José Carlos Alvarez é licenciado em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, pós-graduado em Ciências Documentais e tem o Curso de Gestão das Artes, pelo Instituto Nacional de Administração/Direção-Geral da Qualificação dos Trabalhadores em Funções Públicas, com colaboração da Universidade de Columbia, em Nova Iorque. É diretor do Museu Nacional do Teatro e da Dança desde junho de 2001, depois de ter sido técnico superior da instituição desde 1991.