Rádio Observador

IPSS

Marcelo considera uma ilusão pensar que se podem dispensar as instituições sociais

O chefe de Estado falava na cerimónia das comemorações dos 500 anos da Misericórdia de Bragança, sublinhando o papel na história de Portugal das misericórdias e das IPSS.

RICARDO CASTELO/LUSA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou, na noite de sexta-feira, que é uma ilusão qualquer responsável político pensar que se podem dispensar instituições como as misericórdias e outras de solidariedade social.

O chefe de Estado falava na cerimónia das comemorações dos 500 anos da Santa Casa da Misericórdia de Bragança (SCMB), sublinhando o papel na história de Portugal das misericórdias e, mais recentemente, das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS).

“É preciso conhecer essa história para compreender quão precária é a ilusão de se poder dispensar instituições, que são seculares, que têm passado, mas têm também presente e futuro. E, algumas vezes, a falta de conhecimento histórico de um ou outro responsável levou a que se concebesse a sociedade portuguesa sem conhecer a história das misericórdias”, afirmou.

O Presidente defendeu que “a vida e a história do país não seria a mesma sem esta instituição” e, dirigindo-se aos dirigentes e àqueles que nela trabalham afirmou: “todos os dias, o vosso labor está a contribuir para a construção, não apenas de uma realidade concelhia ou regional, mas nacional”.

Marcelo Rebelo de Sousa lembrou o papel das misericórdias e das IPSS nos tempos de crise e questionou: “se não tivessem existido as instituições da chamada economia social quais teriam sido as consequências?”.

Explicar o papel das misericórdias e das IPSS é uma das lutas que o chefe de Estado entende necessária travar associada outra, que é conseguir que os vários “portugais” sejam menos diferentes entre si”.

O Presidente da República falou das desigualdades no país, com a imagem de que “a distância de Bragança a Lisboa é maior que a distância de Lisboa a Bragança”.

“Essa diferença já foi maior, mas ainda é demasiado grande para um país que se quer um só Portugal e não um Portugal feito de vários “portugais”, a várias velocidades”, insistiu.

Para Marcelo, “não basta ir mais longe na descentralização, ir mais longe naquilo que são medidas para ultrapassar essas desigualdades, não basta sequer apoiar iniciativas ou movimentos de defesa do chamado interior ou dos chamados interiores, é preciso mais do que isso”.

É preciso, exortou o Presidente, “que a sociedade portuguesa e, em particular, o chamado Portugal metropolitano, assuma essa realidade como sua, compreenda que ela existe e que é sua responsabilidade também”.

“Porque não basta estar atento, compreender e emocionar-se um dia ou uma semana, ou um mês, ou seis messe, um ano. É preciso estar-se atento e solidário toda uma vida e, por isso, não é demais repetir que Portugal não está apenas onde estão os holofotes mediáticos, não está apenas onde se encontra a aparente centralidade de quem pode na política, na economia, na sociedade, no mundo mediático”, continuou.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, “as misericórdias cumprem aí uma missão fundamental”, assim como as IPSS, contribuindo, na rede que estabelecem, “para esta sensibilidade nacional”.

O Presidente da República prossegue hoje a visita a Bragança para participar nas comemorações dos dez anos do Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, inaugurar o Centro de Acolhimento Empresarial das Cantarias e regressar à Misericórdia para uma passagem por algumas das respostas sociais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)