IGCP

Portugal paga menos para emitir dívida a 10 e 15 anos

IGCP pagou taxa de cerca de 1,7% por dívida a 10 anos e menos de 2,3% na emissão de títulos com maturidade de 15 anos. No total, o Estado português financiou-se em 950 milhões de euros.

António Cotrim/LUSA

O Estado português financiou-se esta quarta-feira em 950 milhões de euros através da emissão de dívida com prazo a 10 e 15 anos junto dos investidores internacionais. A operação saiu mais barata, do ponto de vista do Estado, em comparação com os custos suportados nas últimas emissões de obrigações com estes prazos: cerca de 1,7% por dívida a 10 anos e menos de 2,3% na emissão de títulos com maturidade de 15 anos.

Apesar de a operação de financiamento ter calhado num dia em que os mercados internacionais estão a recuar, com muita apreensão em torno da aparente “guerra comercial”, a emissão de dívida correu sem dificuldades. Tanto num prazo como no outro, houve mais do que o dobro da procura, em comparação com os montantes que acabaram por ser colocados — o que permitiu baixar o custo da operação para níveis inferiores aos últimos registos.

Na última emissão a 10 anos, a taxa de juro também tinha ficado abaixo de 2% (1,92%) e na última emissão a 15 anos — não um leilão mas uma emissão promovida por sindicato de bancos — pagou-se uma taxa ligeiramente superior, 2,33%.

Esta foi a primeira emissão de dívida por parte do Tesouro português desde que o Banco Central Europeu (BCE) confirmou a intenção de terminar as compras líquidas de dívida pública nos mercados no final do ano.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
História

In memoriam de Franco Nogueira /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

“Um homem livre, recto e determinado que lutou, com paixão, pelas suas convicções e pelas suas ideias, (…) para recuperar o espírito que fez a grandeza de Portugal”.

Justiça

Extinguir o Tribunal Central de Instrução Criminal

João Miguel Barros

Escrever que a extinção do TCIC dá um sinal errado à opinião pública porque este foi o “tribunal que mandou prender Sócrates” é não compreender a essência do que é um Tribunal de Instrução Criminal.

Lisboa

Portagens e transporte público

Luís Campos e Cunha

Tal como em outras cidades, deveria existir uma portagem a todos os carros que entram em Lisboa. Se vêm de Sintra ou da Amadora, não importa, são viaturas que utilizam os equipamentos da cidade.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)