Combustível

Governo aprova estatutos para ERSE passar a regular o setor dos combustíveis

O Governo aprovou a alteração dos estatutos da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, alargando a sua regulação aos setores do gás de petróleo liquefeito em todas as suas categorias.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Governo aprovou esta quinta-feira a alteração dos estatutos da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), alargando a sua regulação aos setores do gás de petróleo liquefeito em todas as suas categorias, dos combustíveis derivados do petróleo e dos biocombustíveis.

Em comunicado após o Conselho de Ministros, o Governo informa que “até agora, a ERSE, enquanto entidade administrativa independente com funções de regulação e de promoção e defesa da concorrência, tinha como âmbito de atuação os setores da energia elétrica e do gás natural, deixando de fora grande parte do setor energético”. Mas, com o decreto-lei aprovado esta quinta-feira, “passam a sujeitar-se à regulação da ERSE os setores do gás de petróleo liquefeito, dos combustíveis derivados do petróleo e dos biocombustíveis, apostando-se fortemente num mercado energético que seja concorrencial e livre, e que integre mecanismos que defendam o interesse dos consumidores”.

O reforço de poderes da ERSE foi decidido no âmbito do Orçamento do Estado para 2017 (OE2017), em simultâneo com a extinção da Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis (ENMC), que detinha parte das competências que agora ficarão sob a alçada do regulador liderado por Maria Cristina Portugal. Para efetivar a regulação dos setores do gás (a ERSE só se ocupava do gás natural) e dos combustíveis, a ERSE tinha que apresentar um projeto de alteração dos respetivos estatutos com as novas atribuições.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

Combustíveis: a grande mentira 

Cristóvão Norte
1.783

Os portugueses vão pagar em impostos relativos aos combustíveis mais em 2019 do que 2018. E como se trata de um imposto em que todos pagam o mesmo, este também é um encargo cego e socialmente injusto.

António Costa

Um homem sem convicções /premium

Sebastião Bugalho

Há estadistas que mudaram de lado para melhor protegerem as suas convicções. António Costa muda de convicções para melhor proteger o seu lado. E isso não é bem a mesma coisa, pois não?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)