Hospital de São José

Mais de 150 médicos do S. José assinam carta solidária com chefes demissionários

145

Mais de 150 médicos do Hospital São José, em Lisboa, assinaram uma carta de apoio aos 16 chefes de equipa de medicina interna e cirurgia geral que pediram a demissão.

Manuel Almeida/LUSA

Mais de 150 médicos do Hospital São José, em Lisboa, assinaram uma carta de apoio aos 16 chefes de equipa de medicina interna e cirurgia geral que recentemente pediram a demissão por falta de condições para tratar os doentes.

A notícia foi avançada à agência Lusa pelo bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, que anunciou ainda que iria enviar ao ministro da Saúde a carta de apoio aos chefes demissionários.

No início do mês, os 16 chefes apresentaram a sua demissão por considerarem que a assistência médica prestada no serviço de urgência tinha ultrapassado “os limites mínimos de segurança aceitáveis para o tratamento dos doentes críticos”.

Esta quinta-feira, o bastonário Miguel Guimarães tornou pública a posição de 157 médicos daquele hospital, na sua maioria clínicos das equipas de urgência de cirurgia geral e medicina interna, que assim confirmam os problemas denunciados pelos chefes.

Nas equipas de urgência de medicina e cirurgia trabalham cerca de 170 clínicos.

Na carta, os médicos lembram que os chefes das equipas das urgências têm, entre outras obrigações, de defender “a coesão das equipas, a manutenção de um elevado nível de qualidade nos cuidados prestados aos doentes, a segurança das condições de trabalho dos medico, a conservação da capacidade de formação pré e pós graduada e a continuidade da uma tradição secular de excelência”.

Louvando a atitude dos médicos que mostraram “total solidariedade com os chefes de equipa”, Miguel Guimarães defendeu que o ministro da Saúde “tem de levar a sério” a situação que se vive naquele hospital.

Os profissionais não estão a dizer isto por birra, não estão a dizer que querem ganhar mais dinheiro, não estão a fazer isto pelo seu interesse próprio. Estão a fazer isto na defesa dos doentes”, sublinhou, alertando que é preciso reforçar as equipas para que os médicos possam fazer bem o seu trabalho.

Para o bastonário, a carta de solidariedade “mostra que os médicos, nos hospitais e centros de saúde, estão unidos em torno de um objetivo fundamental que é defender os doentes, melhorando a qualidade da medicina e aumentando a segurança clínica”.

Miguel Guimarães lembrou que a falta de profissionais de saúde leva a que “os médicos estejam sempre a fazer urgências extra”.

Segundo o bastonário, a maioria dos profissionais já ultrapassou o limite de horas extra de serviço de urgência que têm de fazer por ano, sendo que em alguns casos já “ultrapassam, duplicaram, triplicaram ou quadruplicaram”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Hospitais

Hospital de São José em Agosto

Jaime Nogueira Pinto
1.572

Esquecendo os meus males naquela tarde de Agosto pensei no privilégio de ali estar em São José, onde a presença do Bem se ia impondo no meio do mal, onde a caridade e a eficácia superavam tudo o resto

Saúde

A necessidade da informação na Saúde Mental

Miguel Mealha Estrada
585

Existem mitos que podem ser fatais: “quem se quer matar não avisa”. A verdade é que 80% dos jovens avisam que se vão suicidar, sendo que esses avisos não devem ser ignorados, antes levados bem a sério

Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)