Mercedes-Benz

G65 AMG. Este SUV é um perigo em marcha-atrás

Há marcas que chamam os carros à oficina por risco de acidente, incêndio, falha de travões ou direcção. Mas a Mercedes está a realizar um recall do G65 AMG porque anda muito para trás. E pode capotar.

O peso é tramado: num veículo acaba-lhe com a capacidade de aceleração e com a agilidade em curva. Mas também não faz nada bem à segurança. Vem isto a propósito do mais recente recall levado a cabo pela Mercedes, relativo à versão mais potente do seu SUV mais robusto, mais precisamente o G65 AMG.

De linhas quadradonas e pouco elegante, o Classe G é um dos melhores jipes do mercado, para quem busca um modelo capaz de digerir as condições mais duras no todo-o-terreno, sem beliscar o luxo e as mordomias no habitáculo, compatíveis com os elevados valores que exige como investimento inicial. O SUV alemão é ainda muito pesado, acusando mais de 2,6 toneladas quando colocado sobre a balança. Mas para acelerar a direito, isso não é problema, uma vez que o imponente motor V12, com 6 litros de cilindrada e soprado por dois turbocompressores, fornece uns furiosos 612 cv, que garantem que o jipe consegue até subir paredes.

Sucede que os mais de 600 cv não permitem apenas atingir 100 km/h em 5,3 segundos, ou 230 km/h de velocidade máxima, valor que só não é superior para garantir a segurança dos ocupantes, porque com aquele peso e um Cx de 0,54, similar a um paralelepípedo, a estabilidade acima de 230 km/h está longe ser uma garantia. Contudo, o problema do G65 AMG não estará na velocidade que é capaz de atingir quando anda para a frente, mas sim para trás.

Equipado com uma caixa automática de sete velocidades, o SUV da Mercedes atinge a velocidade máxima em 6ª velocidade, para depois a 7ª servir para rodar a menor rotação, com vantagens para o ruído e o consumo. Em 1ª, o jipe é capaz de atingir 73 km/h, fruto de uma desmultiplicação que lhe assegura 12,2 km/h por cada 1.000 rpm, mas a marcha-atrás, que é muito similar (10,2 km/h por cada 1.000 rpm), permitiria que o Classe G atingisse 61 km/h. Um valor obviamente elevado, para este ou para qualquer outro veículo. Para evitar problemas, a Mercedes equipa estes modelos mais potentes com um software que limita a velocidade máxima em marcha-atrás a uns valores mais razoáveis e seguros, para um SUV tão estreito e alto.

Apesar de todos estes cuidados da marca alemã, a Autoridade Nacional de Segurança do Tráfego Rodoviário (NHTSA, na sigla em inglês) alertou a marca para o facto de, a partir de 25 km/h a andar para trás, o G65 AMG poder ficar instável e capotar numa manobra brusca. Como a NHTSA não possui nenhum destes SUV da Mercedes, terão sido os casos relatados por condutores nos EUA, que terão apanhado sustos ou mesmo ficado ‘de pernas para o ar’, que levaram este organismo oficial a esta tomada de posição.

A Mercedes vai chamar à oficina as unidades vendidas para actualizá-las com um novo software que limite ainda mais a marcha-atrás, não deixando de que ser curioso que seja mais seguro rodar a 230 km/h para a frente do que a 25 km/h para trás.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)